sicnot

Perfil

País

Passos desafia Costa a enviar contraproposta e a dizer se quer entrar no executivo

O presidente dos sociais-democratas desafiou hoje o secretário-geral do PS a enviar uma "contraproposta objetiva" para mostrar empenho nas negociações e a dizer com clareza se pretende entrar numa coligação de Governo com PSD e CDS-PP.

© Rafael Marchante / Reuters

© Rafael Marchante / Reuters

Numa carta dirigida ao secretário-geral do PS, António Costa, hoje divulgada pelo PSD, Pedro Passos Coelho considera que o documento que aquele lhe enviou na sexta-feira "frustra as expectativas de todos aqueles que contavam com a prossecução das conversas" entre sociais-democratas, centristas e socialistas.

"Se o PS está verdadeiramente empenhado em chegar a um acordo de princípio que propicie estabilidade e governabilidade, então deverá apresentar uma contraproposta objetiva, que inclua base programática e medidas concretas, bem como uma proposta de metodologia alternativa à que a coligação apresentou. Se o PS prefere discutir estas matérias enquanto futuro membro de uma coligação de Governo mais alargada, que inclua, além do PSD e do CDS, o próprio PS, então que o diga também com clareza já que nunca excluímos essa possibilidade, como é sabido", escreve Passos Coelho.

O presidente do PSD sustenta, ao longo desta carta, que o PS não quer chegar a um acordo com os partidos da coligação Portugal à Frente, que foi a força mais votada nas legislativas, mas não conseguiu somar uma maioria absoluta de deputados.

No final da missiva, Passos Coelho afirma que, "sob o falso pretexto de negociações que não deseja", a ação do PS ameaça "arrastar o país e os portugueses para a instabilidade e a ingovernabilidade num retrocesso que pode pôr em causa o árduo trabalho dos últimos quatro anos".

No início desta missiva, Passos Coelho declara: "A carta que anteontem me foi dirigida pelo secretário-geral do PS frustra as expectativas de todos aqueles que contavam com a prossecução das conversas entre o PS, o PSD e o CDS com vista a um entendimento que pudesse garantir a estabilidade e a governabilidade".

"De facto, a carta não faz mais do que repetir a linha que o PS tem usado para evitar esse entendimento com a coligação Portugal à Frente", acrescenta.

Segundo o primeiro-ministro em exercício, a carta que recebeu de António Costa não tem "um sentido construtivo discernível", faz um "ostensivo reparo e crítica" às propostas do PSD e do CDS-PP, e enumera "exclusiva e exaustivamente" medidas do programa do PS, não hierarquizadas, como se os socialistas tivessem vencido as eleições, não se traduzindo numa "contraproposta".

Passos refere que PSD e CDS-PP redigiram um documento com 23 propostas retiradas do programa eleitoral do PS, disponíveis para as substituir por outras, mas não aceita "subverter" os compromissos europeus e as metas orçamentais, nem o programa da coligação Portugal à Frente "sufragado maioritariamente pelos portugueses".

  • Situação política em Portugal não é para discutir em Bruxelas, diz Passos Coelho
    1:34

    Novo Governo

    Terminou o Conselho Europeu em Bruxelas - em que a crise migratória na Europa esteve em discussão. Na declaração final após a reunião dos líderes europeus, Pedro Passos Coelho pouco ou nada disse sobre o momento que se vive em Portugal. Diz apenas que essa é matéria para ser discutida em Lisboa e não em Bruxelas. Ainda assim, o primeiro-ministro falou sobre os prazos de entrega do Orçamento do Estado e disse que não há motivo para preocupação, pelo facto de Portugal não ter um orçamento para apresentar, na reunião do Eurogrupo, marcada para 23 de novembro.

  • Portas defende que o Presidente deve indigitar Passos como primeiro-ministro
    1:30

    País

    O PS fez saber, ao final da tarde desta sexta-feira, que já respondeu por carta às propostas da coligação. Antes de receber a carta do Partido Socialista, Paulo Portas defendeu que está em curso uma operação para sequestrar os votos da coligação e insistiu que o Presidente da República deve indigitar Passos Coelho para formar governo.

  • Foi Passos Coelho que pôs fim ao diálogo, diz António Costa
    1:40

    País

    António Costa diz que foi Pedro Passos Coelho quem pôs fim ao diálogo entre o PS e a coligação de direita. Em entrevista à TVI, o secretário-geral dos socialistas acusou o PSD e o CDS de esconderem a real situação financeira do país e de negarem informação ao PS.

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.