sicnot

Perfil

País

Passos desafia Costa a enviar contraproposta e a dizer se quer entrar no executivo

O presidente dos sociais-democratas desafiou hoje o secretário-geral do PS a enviar uma "contraproposta objetiva" para mostrar empenho nas negociações e a dizer com clareza se pretende entrar numa coligação de Governo com PSD e CDS-PP.

© Rafael Marchante / Reuters

© Rafael Marchante / Reuters

Numa carta dirigida ao secretário-geral do PS, António Costa, hoje divulgada pelo PSD, Pedro Passos Coelho considera que o documento que aquele lhe enviou na sexta-feira "frustra as expectativas de todos aqueles que contavam com a prossecução das conversas" entre sociais-democratas, centristas e socialistas.

"Se o PS está verdadeiramente empenhado em chegar a um acordo de princípio que propicie estabilidade e governabilidade, então deverá apresentar uma contraproposta objetiva, que inclua base programática e medidas concretas, bem como uma proposta de metodologia alternativa à que a coligação apresentou. Se o PS prefere discutir estas matérias enquanto futuro membro de uma coligação de Governo mais alargada, que inclua, além do PSD e do CDS, o próprio PS, então que o diga também com clareza já que nunca excluímos essa possibilidade, como é sabido", escreve Passos Coelho.

O presidente do PSD sustenta, ao longo desta carta, que o PS não quer chegar a um acordo com os partidos da coligação Portugal à Frente, que foi a força mais votada nas legislativas, mas não conseguiu somar uma maioria absoluta de deputados.

No final da missiva, Passos Coelho afirma que, "sob o falso pretexto de negociações que não deseja", a ação do PS ameaça "arrastar o país e os portugueses para a instabilidade e a ingovernabilidade num retrocesso que pode pôr em causa o árduo trabalho dos últimos quatro anos".

No início desta missiva, Passos Coelho declara: "A carta que anteontem me foi dirigida pelo secretário-geral do PS frustra as expectativas de todos aqueles que contavam com a prossecução das conversas entre o PS, o PSD e o CDS com vista a um entendimento que pudesse garantir a estabilidade e a governabilidade".

"De facto, a carta não faz mais do que repetir a linha que o PS tem usado para evitar esse entendimento com a coligação Portugal à Frente", acrescenta.

Segundo o primeiro-ministro em exercício, a carta que recebeu de António Costa não tem "um sentido construtivo discernível", faz um "ostensivo reparo e crítica" às propostas do PSD e do CDS-PP, e enumera "exclusiva e exaustivamente" medidas do programa do PS, não hierarquizadas, como se os socialistas tivessem vencido as eleições, não se traduzindo numa "contraproposta".

Passos refere que PSD e CDS-PP redigiram um documento com 23 propostas retiradas do programa eleitoral do PS, disponíveis para as substituir por outras, mas não aceita "subverter" os compromissos europeus e as metas orçamentais, nem o programa da coligação Portugal à Frente "sufragado maioritariamente pelos portugueses".

  • Situação política em Portugal não é para discutir em Bruxelas, diz Passos Coelho
    1:34

    Novo Governo

    Terminou o Conselho Europeu em Bruxelas - em que a crise migratória na Europa esteve em discussão. Na declaração final após a reunião dos líderes europeus, Pedro Passos Coelho pouco ou nada disse sobre o momento que se vive em Portugal. Diz apenas que essa é matéria para ser discutida em Lisboa e não em Bruxelas. Ainda assim, o primeiro-ministro falou sobre os prazos de entrega do Orçamento do Estado e disse que não há motivo para preocupação, pelo facto de Portugal não ter um orçamento para apresentar, na reunião do Eurogrupo, marcada para 23 de novembro.

  • Portas defende que o Presidente deve indigitar Passos como primeiro-ministro
    1:30

    País

    O PS fez saber, ao final da tarde desta sexta-feira, que já respondeu por carta às propostas da coligação. Antes de receber a carta do Partido Socialista, Paulo Portas defendeu que está em curso uma operação para sequestrar os votos da coligação e insistiu que o Presidente da República deve indigitar Passos Coelho para formar governo.

  • Foi Passos Coelho que pôs fim ao diálogo, diz António Costa
    1:40

    País

    António Costa diz que foi Pedro Passos Coelho quem pôs fim ao diálogo entre o PS e a coligação de direita. Em entrevista à TVI, o secretário-geral dos socialistas acusou o PSD e o CDS de esconderem a real situação financeira do país e de negarem informação ao PS.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.