sicnot

Perfil

País

Evolução de parasitas e de hospedeiro humano estudada pela primeira vez em Portugal

Investigadores da Universidade de Coimbra (UC) estão a realizar os primeiros estudos em Portugal para conhecer a evolução dos parasitas e dos seus hospedeiros humanos e para melhor entender e lidar com algumas patologias atuais.

© Phil Noble / Reuters

O Departamento de Ciências da Vida (DCV) e do Centro de Investigação em Antropologia e Saúde (CIAS) da UC estão a realizar "os primeiros estudos paleoparasitológicos em Portugal", anunciou hoje aquela universidade.

A paleoparasitologia estuda os vestígios de parasitas em populações antigas para fornecer informação que, além de explicar "o surgimento e a evolução dos parasitas e dos seus hospedeiros humanos, pode ser útil para melhor entender e lidar com algumas patologias da atualidade", refere a UC, numa nota hoje divulgada.

Os investigadores têm estado a analisar sedimentos recolhidos em esqueletos humanos adultos (homens e mulheres com idades compreendidas entre os 20 e os 70 anos), desde o século VIII até ao século XX.

Os primeiros resultados conhecidos sugerem que a população portuguesa, particularmente da região de Lisboa, "tinha menos verminoses que outras populações da Europa", fenómeno cujos motivos são desconhecidos, mas que pode dever-se a uma "alimentação diferenciada ou mais saudável".

Através de amostras, retiradas da cavidade pélvica dos esqueletos, foram identificados e quantificados os parasitas intestinais existentes, tendo sido verificado que "o número de ovos presentes -- entre cinco e 50 por grama de sedimento de cada indivíduo -- é muito inferior ao de outros povos da Europa, em que alguns estudos indicam a presença de centenas ou milhares de ovos de parasitas por humano", afirma Luciana Sianto, investigadora principal do estudo.

Os parasitas identificados têm sido "essencialmente 'ascaris lumbricoides' e 'trichuris trichiura' (lombrigas), parasitas comuns que são transmitidos de humano para humano", acrescenta a investigadora do CIAS.

Estes e outros dados obtidos no âmbito do estudo, com coordenação local de Ana Luísa Santos, serão associados a resultados de alguns países da América, da Ásia, da África e de Europa.

Para consolidar informação sobre os parasitas, a equipa de investigadores envolvidos no projeto quer analisar o maior número possível de amostras e, pede, por isso, a colaboração da comunidade científica nacional da área (arqueologia e antropologia) para o fornecimento de material, cuja recolha exige alguns cuidados e para a qual elaborou um manual de procedimentos intitulado "Paleoparasitologia em Portugal - os caminhos dos parasitos", o estudo é cofinanciado pelo programa brasileiro Ciência sem Fronteiras (CNPq) e pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

Lusa

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do ultimo album, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.