sicnot

Perfil

País

Teste para prever risco de temperaturas baixas vai ser implementado em Lisboa e Porto

Um teste piloto para prever o risco das temperaturas mínimas na mortalidade da população vai ser implementado nos distritos do Porto e de Lisboa, anunciou hoje o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

REUTERS

Segundo um comunicado do IPMA, o teste, desenvolvido no âmbito do Projeto Friesa, vai ser implementado em conjunto com o Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge já este inverno.

O teste vai permitir "prever diariamente o risco das temperaturas mínimas na mortalidade da população", com o objetivo de desenvolver um sistema de vigilância capaz de reduzir o risco e o potencial impacto na morte de pessoas, refere o documento.

"Este sistema, uma vez implementado, facultará aos decisores na área da saúde, em especial em Saúde Pública, informação atempada que apoie a preparação e adequação dos níveis e tipos de intervenção em situações de perigosidades associados ao frio com efeitos na saúde", esclarece o comunicado.

Desde 1999 que já existe em português um sistema de monitorização e vigilância das ondas de calor com potencial impacto na mortalidade.

Segundo o relatório do Programa Nacional de Vigilância da Gripe referente à época gripa 2014/2105, a gripe e o tempo frio fizeram no último inverno mais de 5.500 mortes além do que era esperado.

Lusa

  • Uma viagem pela Estrada Nacional 236
    2:52
  • A reconstrução depois da tragédia de Pedrógão
    2:43
  • Marcelo reúne-se na quarta-feira com Putin

    País

    O Presidente da República reúne-se na quarta-feira, em Moscovo, com o líder russo, Vladimir Putin, informou este domingo a Presidência. Marcelo Rebelo de Sousa estará na capital da Federação Russa para assistir ao jogo da seleção portuguesa na fase final do Mundial de Futebol com a equipa de Marrocos

  • Novo busto de Ronaldo foi pedido pelo Museu CR7
    2:07
  • Grécia e Macedónia assinam acordo histórico
    2:02

    Mundo

    A Grécia e a Macedónia assinaram um acordo histórico para mudar o nome da antiga República Jugoslava para República da Macedónia do Norte. Em causa está um problema diplomático entre os dois países que dificultou os planos da Macedónia em aderir à União Europeia e às Nações Unidas.