sicnot

Perfil

País

Coligações à esquerda nas autarquias com acordos para todos os gostos

O acordo de Jorge Sampaio, enquanto presidente da Câmara de Lisboa, com a CDU é apontado como "exemplo perfeito" de aliança de esquerda, mas, no país, há outros casos de sucesso de gestão municipal partilhada entre socialistas e comunistas.

Em Torres Vedras, as autárquicas de 1976 e 1979 deram a vitória ao socialista Alberto Avelino, que fez fez um acordo pós-eleitoral, informal, com o eleito da CDU, atribuindo-lhe pelouros.

Situação semelhante ocorreu em 1985, com o socialista José Augusto de Carvalho, e 1993 e 2001, com o também socialista Jacinto Leandro.

Em Alenquer, as autárquicas de 1979 deram a vitória ao PS, que conseguiu três mandatos, o PSD outros três e a CDU um. O socialista Álvaro Pedro atribuiu pelouros ao eleito da CDU, que, em vários assuntos, votou ao lado do PS. O mesmo aconteceu no seu último mandato iniciado em 2005. Jorge Riso (PS), que era seu vice-presidente, ganhou a Câmara em 2009 e voltou a fazer um acordo à esquerda.

Também em Arruda dos Vinhos, as autárquicas de 1993 elegeram dois elementos do PS, dois do PSD e um do PCP. Mário Henrique (PS) foi eleito presidente e fez um acordo pós-eleitoral com o PCP.

No distrito de Setúbal, onde a CDU tem sido a força política maioritária nas autárquicas, não tem havido necessidade de acordos para a governação dos municípios. A exceção foi o entendimento informal entre a CDU e o BE, após as eleições de 2009 em Almada, quando a coligação perdeu a maioria absoluta. Na ocasião, a vereadora do BE, Helena Oliveira, viabilizou o orçamento e muitas propostas da maioria, mas nunca houve acordo formal entre comunistas e bloquistas.

Mais a norte, em Coimbra, pela primeira vez desde 1989 o candidato mais votado não obteve em 2013 maioria absoluta, o que fez com que o PS (com cinco eleitos em 11) tenha negociado, para o atual mandato, pelouros com o único vereador da CDU.

Em Montemor-o-Velho, o PS venceu as eleições também sem maioria (três eleitos, contra três do PSD/CDS-PP e um da CDU) e estabeleceu dois acordos: com o vereador comunista Jorge Camarneiro e com a independente eleita pelo PSD/CDS-PP Alexandra Ferreira (que, entretanto, abandonou aquela coligação), atribuindo quatro pelouros a cada.

Na Marinha Grande, antes um bastião do PCP, o presidente Câmara, Álvaro Pereira (PS), atribuiu, após as últimas autárquicas, pelouros a dois vereadores da CDU, garantindo a maioria no executivo, situação que durou até agosto deste ano, quando os comunistas devolveram as pastas, por discordarem do fecho de escolas.

Também em Tomar, o PS, que conquistou três mandatos em sete nas autárquicas de 2013, tem governado com maioria graças ao acordo feito com a CDU, com a atribuição de pelouros ao vereador comunista.

Ainda na região Centro, em 1982, na Lousã, o PS arrebatou a presidência da Câmara à Aliança Democrática, após negociar a inclusão nas suas listas de militantes da UDP, um dos partidos que estiveram na fundação do BE.

Esta aliança local foi celebrada pelos "democratas populares" contra a decisão da direção nacional do partido.

Mas, um pouco por todo o país, tem havido exemplos de outras coligações autárquicas, algumas "improváveis", que funcionaram.

Exemplo disso aconteceu em 2002, quando, depois de vencer as eleições à Câmara do Porto sem maioria absoluta, Rui Rio (PSD), que se candidatou à autarquia em coligação com o CDS-PP, atribuiu ao vereador da CDU, Rui Sá, o pelouro do Ambiente e Reforma Administrativa e a presidência do Conselho de Administração dos Serviços Municipalizados de Águas e Saneamento.

Em Loures, a CDU, através do presidente da autarquia, Bernardino Soares, tem um acordo para a gestão da câmara com a coligação PSD/MPT/PPM, atribuindo pelouros a dois vereadores sociais-democratas.

A sul, no primeiro mandato de Luís Gomes (PSD) como presidente da Câmara de Vila Real de Santo António, em 2005, a divisão de mandatos ficou em três para PSD, três para PS e um para a CDU.

A CDU aceitou integrar o executivo e o seu vereador ficar com pelouros. Nas eleições seguintes, este eleito foi a votos na lista social-democrata.

Em Vendas Novas, no distrito de Évora, Luís Dias (PS) gere a Câmara em coligação com o PSD, sendo o executivo constituído por três eleitos do PS, três da CDU e um do PSD.

Em Portalegre, houve "entendimento de governação local" de 2002 a 2005, entre o PSD, que obteve maioria relativa, e a CDU.

Ao longo dos anos registaram-se também coligações pontuais em Sousel, Nisa e Campo Maior (maiorias relativas do PS com eleitos da CDU), bem como em Alter do Chão (maioria relativa do PSD e um vereador comunista).

Já na Covilhã, o presidente Vítor Pereira (PS), atribuiu, em janeiro deste ano, pelouros ao vereador do PSD, no âmbito de um acordo de incidência governativa que garante a maioria no executivo.

No Cadaval, o executivo PSD, liderado por José Bernardo Nunes, fez um acordo pós-eleitoral com o PS, cujo cabeça-de-lista assumiu o cargo a tempo inteiro.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.