sicnot

Perfil

País

Pescadores dos Açores querem processar Estado por falta de fiscalização da zona marítima

O presidente da Cooperativa Porto de Abrigo admitiu hoje uma segunda ação judicial contra o Estado português por alegada ausência de fiscalização das águas dos Açores, que disse estarem a ser violadas, maioritariamente por embarcações espanholas.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© STRINGER Mexico / Reuters

"Não há uma mudança de comportamento do Estado em matérias de vigilância sobre o território marítimo de Portugal, não por má vontade da Marinha e da Força Aérea, mas porque o Estado, nas suas prioridades, não considera a fiscalização", declarou à agência Lusa Liberato Fernandes.

Em 2004, a Cooperativa Porto de Abrigo, em parceira com outras entidades, promoveu na Justiça uma ação contra o Estado, baseada na alegada falta de fiscalização das águas portuguesas, admitindo assim Liberato Fernandes "voltar à carga nesta questão".

Na sequência de um encontro com o grupo parlamentar do PSD, hoje à tarde, e com os responsáveis pelo Comando da Zona Marítima dos Açores (ZMA), de manhã, o dirigente do setor das pescas denunciou que existem mais de 12 embarcações espanholas que estão a pescar no interior das 100 milhas da subzona dos Açores da Zona Económica Exclusiva (ZEE) nacional.

"Nós temos informação sustentada de que existem embarcações de palangre - um aparelho derivante com muitos anzóis, semelhante ao palangre de fundo, mas que se encontra suspenso perto da superfície - de frotas que não são portuguesas, são maioritariamente do reino de Espanha, que estão a pescar palangre de superfície dentro das 100 milhas", declarou Liberato Fernandes.

Liberato Fernandes deixou o compromisso, na sequência da solicitação dos responsáveis pelo Comando da Zona Marítima dos Açores, de fazer chegar à Marinha os elementos que comprovam a violação da ZEE nacional, com base em testemunhos de mestres armadores.

As embarcações em causa estão a pescar nos Açores, sobretudo espadarte e a tintureira, um tubarão de superfície, de acordo com Liberato Fernandes, que recorda que as embarcações de palangre de superfície em causa são muito maiores do que as açorianas, o que aumenta substancialmente a capacidade de captura.

O dirigente das pescas refere que estas embarcações estrangeiras estão a aproveitar o facto de alguns dos bancos de pesca que se situam dentro das 200 milhas serem zonas que oferecem alimento às espécies migratórias e onde o espadarte e a tintureira permanecem mais tempo.

Liberato Fernandes defendeu que se deve proceder à fiscalização das águas açorianas não só dentro das 100 milhas, mas também nas duzentas milhas, com meios marítimos e aéreos.

"Não faz sentido que exista uma fiscalização relativamente eficaz à frota pesqueira de pequena autonomia, de embarcações locais e costeiras, e que entre as 100 e 200 milhas, onde existe uma faina sobre espécies de superfície de frotas estrangeiras, estas não sejam vistoriadas", afirmou.

Considerando que a ausência de fiscalização das pescas por parte dos meios marinhos e aéreos se prende com um desinvestimento do Estado, o líder da cooperativa Porto de Abrigo alertou o PSD/Açores que este é um problema do Estado e da Defesa nacional.

Lusa

  • Kikas faz história
    1:22
  • Madonna está outra vez em Lisboa 😲
    0:59
  • Nove fatores que aumentam o risco de demência

    Mundo

    Um em cada três casos de demência podia ter sido evitado sem recorrer a medicamentos. Um estudo publicado na revista científica The Lancet explica como é possível evitar a demência e quais os fatores que contribuem para a doença.

  • Hindus pedem a troca de nome da cerveja brasileira Brahma

    Mundo

    Um grupo de hindus pediu a mudança da marca de cerveja Brahma, propriedade da multinacional cervejeira Anheuser-Busch InBev, com sede em Lovaina, na Bélgica, argumentando que é inapropriado uma bebida alcoólica ter o nome que um deus hindu.

  • Manuais oferecidos aos alunos do 1.º ano não podem ser reutilizados
    2:42

    País

    As escolas querem que sejam devolvidos aos alunos os manuais do 1.ºo ano que foram dados gratuitamente pelo Estado para serem reutilizados nos próximos anos. A Associação de Diretores de Agrupamentos diz que os livros estão praticamente todos em bom estado, mas da forma como são feitos pelas editoras é impossível voltar a usá-los. As escolas querem que o Executivo chegue a um entendimento com as editoras para conceber manuais reutilizáveis.

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.