sicnot

Perfil

País

Pescadores dos Açores querem processar Estado por falta de fiscalização da zona marítima

O presidente da Cooperativa Porto de Abrigo admitiu hoje uma segunda ação judicial contra o Estado português por alegada ausência de fiscalização das águas dos Açores, que disse estarem a ser violadas, maioritariamente por embarcações espanholas.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© STRINGER Mexico / Reuters

"Não há uma mudança de comportamento do Estado em matérias de vigilância sobre o território marítimo de Portugal, não por má vontade da Marinha e da Força Aérea, mas porque o Estado, nas suas prioridades, não considera a fiscalização", declarou à agência Lusa Liberato Fernandes.

Em 2004, a Cooperativa Porto de Abrigo, em parceira com outras entidades, promoveu na Justiça uma ação contra o Estado, baseada na alegada falta de fiscalização das águas portuguesas, admitindo assim Liberato Fernandes "voltar à carga nesta questão".

Na sequência de um encontro com o grupo parlamentar do PSD, hoje à tarde, e com os responsáveis pelo Comando da Zona Marítima dos Açores (ZMA), de manhã, o dirigente do setor das pescas denunciou que existem mais de 12 embarcações espanholas que estão a pescar no interior das 100 milhas da subzona dos Açores da Zona Económica Exclusiva (ZEE) nacional.

"Nós temos informação sustentada de que existem embarcações de palangre - um aparelho derivante com muitos anzóis, semelhante ao palangre de fundo, mas que se encontra suspenso perto da superfície - de frotas que não são portuguesas, são maioritariamente do reino de Espanha, que estão a pescar palangre de superfície dentro das 100 milhas", declarou Liberato Fernandes.

Liberato Fernandes deixou o compromisso, na sequência da solicitação dos responsáveis pelo Comando da Zona Marítima dos Açores, de fazer chegar à Marinha os elementos que comprovam a violação da ZEE nacional, com base em testemunhos de mestres armadores.

As embarcações em causa estão a pescar nos Açores, sobretudo espadarte e a tintureira, um tubarão de superfície, de acordo com Liberato Fernandes, que recorda que as embarcações de palangre de superfície em causa são muito maiores do que as açorianas, o que aumenta substancialmente a capacidade de captura.

O dirigente das pescas refere que estas embarcações estrangeiras estão a aproveitar o facto de alguns dos bancos de pesca que se situam dentro das 200 milhas serem zonas que oferecem alimento às espécies migratórias e onde o espadarte e a tintureira permanecem mais tempo.

Liberato Fernandes defendeu que se deve proceder à fiscalização das águas açorianas não só dentro das 100 milhas, mas também nas duzentas milhas, com meios marítimos e aéreos.

"Não faz sentido que exista uma fiscalização relativamente eficaz à frota pesqueira de pequena autonomia, de embarcações locais e costeiras, e que entre as 100 e 200 milhas, onde existe uma faina sobre espécies de superfície de frotas estrangeiras, estas não sejam vistoriadas", afirmou.

Considerando que a ausência de fiscalização das pescas por parte dos meios marinhos e aéreos se prende com um desinvestimento do Estado, o líder da cooperativa Porto de Abrigo alertou o PSD/Açores que este é um problema do Estado e da Defesa nacional.

Lusa

  • Enfermeiros dizem que suplemento de 150 € não é suficiente para acordo
    0:57

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros diz que há um avanço nas negociações com o Governo. Esta terça-feira à tarde, uma delegação do Ministério das Finanças esteve numa reunião que decorreu no Ministério da Saúde. Apesar disso, o presidente do sindicato, José Azevedo, explicou à SIC que a proposta do executivo de pagar mais 150 euros aos enfermeiros especializados não é suficiente para chegarem a acordo.

  • Guterres condena onda de violência em Myanmar
    0:43
  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC