sicnot

Perfil

País

Autoridades investigam aparecimento de ossadas humanas na Sertã

As autoridades estão a investigar, desde terça-feira, o aparecimento de umas ossadas humanas num baldio em Fonte da Pinta, junto à Câmara Municipal da Sertã, informou hoje à agência Lusa fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR) de Castelo Branco.

"A GNR da Sertã foi alertada por um popular na terça-feira à tarde, tendo confirmado no local que as ossadas encontradas são humanas. Tudo indica que pertencem a um indivíduo do sexo masculino que estava desaparecido há cerca de quatro anos naquela localidade", disse à agência Lusa o major Alves, relações públicas do Comando Territorial da GNR de Castelo Branco.

Segundo disse ainda aquele militar, "no local foi encontrada a sua carteira e os documentos, pertença de um homem de 57 anos de idade, residente da Sertã", e dado como desaparecido.

"O corpo, já em ossada, estava num baldio, no meio do mato, e por isso não estava em posição visível, não existindo, para já, indícios que apontem para uma situação de foro criminal", declarou.

Chamada ao local, a Polícia Judiciária de Coimbra está a investigar o caso, tendo "recolhido as ossadas".

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.