sicnot

Perfil

País

"Uma coligação entre PS, BE e PCP seria negativo para todos"

"Uma coligação entre PS, BE e PCP seria negativo para todos"

O presidente do Governo espanhol considerou hoje que uma coligação de esquerda em Portugal, entre o PS, o Bloco de Esquerda e o PCP, "seria negativo para os interesses de todos", e "não respeitaria" a vontade dos portugueses.

"Espero que as coisas [em Portugal] resultem razoavelmente. Seria a primeira vez na história - desde que a democracia regressou a Portugal - que não governaria o partido que ganhou as eleições. Uma coligação entre o Partido Socialista, o Podemos de lá [Portugal] e o Partido Comunista seria muito negativo para os interesses de todos. E sobretudo não respeitaria o que disseram os cidadãos", disse hoje Mariano Rajoy à entrada para o último dia de Congresso do Partido Popular Europeu, a decorrer em Madrid.

Na cimeira da direita europeia - que hoje recebe líderes como a chanceler alemã, Angela Merkel, o antigo presidente francês Nicolas Sarkozy e o ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi - Rajoy recordou as posições contrárias à União Europeia dos dois partidos com os quais o PS está a negociar para formar governo.

"Há partidos que não querem o euro, não querem as regras da União Europeia e batalham sempre contra o que aprovamos na União. Insisto: eu gostaria e espero - isso é que é democrático - que Passos Coelho seja reeleito primeiro-ministro" em Portugal, reiterou o líder do executivo espanhol.

Rajoy enfrenta em dezembro umas eleições gerais em Espanha que podem traçar um cenário semelhante ao que se vive em Portugal: uma vitória sem maioria absoluta do PP (atualmente no poder), abrindo a porta a uma eventual coligação de esquerda entre os socialistas do PSOE, de Pedro Sánchez, e o Podemos, de Pablo Iglesias.

O presidente do governo espanhol destacou a dificuldade do trabalho de Pedro Passos Coelho e o esforço dos portugueses nos últimos quatro anos.

"Ele passou por uma etapa de enorme dificuldade, o povo português fez um grande esforço e agora estão a seguir em frente. Houve um pouco de crescimento económico, também se está a criar emprego e seria uma pena retroceder agora e voltar ao passado", salientou.

Questionado sobre se já falou com Passos Coelho sobre o assunto, Rajoy explicou que tinha marcada para a manhã de hoje uma reunião com o ainda primeiro-ministro português, desmarcada devido à situação política portuguesa.

Também presente no Congresso, o Comissário Europeu para a Investigação, Inovação e Ciência, o português Carlos Moedas, disse que está a seguir com atenção a situação portuguesa e reconheceu que os colegas na Comissão lhe têm feito muitas perguntas sobre a crise política em Portugal.

No entanto, escusou-se a fazer mais comentários sobre a política nacional portuguesa, afirmando que este não é momento para a Comissão Europeia.

"As eleições em Portugal tiveram os resultados que todos conhecemos. Agora é a hora do Presidente da República, a hora dos partidos. Não é a hora da Comissão Europeia", disse Carlos Moedas, acrescentando que "a Comissão Europeia trabalhará sempre com todos os governos democraticamente eleitos".

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52