sicnot

Perfil

País

Ferro Rodrigues quer "consenso alargado" para chegar a presidente da Assembleia

O antigo líder socialista Ferro Rodrigues, proposto para candidato a presidente da Assembleia da República (AR), disse hoje esperar um "consenso alargado" em torno do seu nome para ser eleito e "prestigiar a democracia".

ARMANDO FRANCA

"Existe uma proposta que vai ser subscrita por deputados do PS e que conto que tenha um apoio alargado na AR. Mas só podemos saber o resultado no final", vincou o socialista, quando questionado sobre se o seu nome poderá merecer o apoio de outros partidos à esquerda.

Ferro Rodrigues falava no parlamento no final da reunião do grupo parlamentar do PS, encontro onde o secretário-geral do partido, António Costa propôs Ferro Rodrigues como candidato a presidente da AR.

"Espero poder contribuir para o prestígio do parlamento, para o prestígio da democracia, num quadro de tendência de valorização do trabalho de todos os deputados, independentemente dos partidos que representam", sublinhou Ferro Rodrigues, que foi líder parlamentar na reta final da anterior legislatura.

A reunião do grupo parlamentar socialista arrancou pouco depois das 17:30 e terminou pelas 20:10, num momento em que o Presidente da República falava ao país, e antecede a Comissão Política do PS marcada para hoje às 21:30.

Na terça-feira, em declarações aos jornalistas, o antigo secretário-geral do PS Eduardo Ferro Rodrigues manifestou-se logo disponível para ser candidato à presidência da Assembleia da República.

"Já disse que sim há muito tempo", afirmou Ferro Rodrigues quando questionado sobre a sua disponibilidade em se candidatar ao cargo, sublinhando, no entanto, que caberia ao secretário-geral socialista, António Costa, essa decisão.

As candidaturas para Presidente da Assembleia da República devem ser subscritas por um mínimo de um décimo e um máximo de um quinto do número de deputados, que no total são 230, estabelece o Regimento do parlamento.

As candidaturas são apresentadas ao presidente do parlamento em exercício até duas horas antes do momento da eleição, que tem lugar na primeira reunião plenária da legislatura.

"É eleito presidente da Assembleia o candidato que obtiver a maioria absoluta dos votos dos deputados em efetividade de funções. Se nenhum dos candidatos obtiver esse número de votos, procede-se imediatamente a segundo sufrágio, ao qual concorrem apenas os dois candidatos mais votados que não tenham retirado a candidatura", refere ainda o Regimento da Assembleia da República.

Se nenhum candidato for eleito, o Regimento da Assembleia da República acrescenta que é reaberto o processo eleitoral.

Lusa

  • O preconceito em relação aos transexuais
    34:09
  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura ao Governo

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC

  • A cadela que desistiu da CIA para ir "perseguir esquilos e coelhos"

    Mundo

    Nem todos os cães têm aptidão para combater o crime. Este é o caso de Lulu, uma cadela que estava a treinar para ser agente da CIA, mas que acabou por entrar na reforma ainda durante os treinos. Através do Twitter, a agência norte-americana anunciou na semana passada que Lulu já não iria treinar mais e que tinha sido adotada pelo agente que a treinava.

    SIC

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC