sicnot

Perfil

País

Madeira sob aviso amarelo devido à previsão de chuva

O arquipélago da Madeira está hoje sob aviso amarelo, o terceiro mais grave de uma escala de quatro, devido à previsão de chuva, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

De acordo com o IPMA, o arquipélago da Madeira está sob aviso amarelo devido à previsão de aguaceiros por vezes fortes e acompanhados de trovoada.

O instituto indica que o aviso teve início às 22:00 de quinta-feira e termina às 09:00 de hoje.

O aviso amarelo é emitido pelo IPMA sempre que existe uma "situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica".

O instituto prevê, para hoje, na Madeira períodos de céu muito nublado, aguaceiros, que poderão ser por vezes fortes até meio da manhã, condições favoráveis à ocorrência de trovoada e vento em geral fraco do quadrante sul, soprando moderado nas terras altas até ao início da manhã, rodando para o quadrante norte a partir do final da tarde.

No Funchal as temperaturas vão oscilar entre 21 e 25 graus Celsius.

Lusa

  • Chuva intensa terá causado morte de mulher desaparecida na Madeira
    1:24

    País

    O corpo da mulher que estava desaparecida desde esta manhã, na ilha da Madeira, já foi encontrado. A mulher foi arrastada pelas água na sequência do rebentamento de dois tanques de rega, numa localidade da Ribeira Brava. A chuva intensa que caiu durante a noite terá estado na origem da tragédia.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão