sicnot

Perfil

País

Manuel Godinho conhece hoje acórdão em mais um caso de corrupção

A leitura do acórdão do julgamento do sucateiro Manuel Godinho, num processo de corrupção que resultou de uma certidão extraída do caso "Face Oculta", está marcada para hoje no Tribunal de Aveiro.

Manuel Godinho (à direita)

Manuel Godinho (à direita)

LUSA (Arquivo)

O empresário das sucatas é suspeito de ter subornado um engenheiro que trabalhava na antiga Rede Ferroviária Nacional (Refer), coarguido no mesmo processo, para praticar "atos materiais que visavam favorecer economicamente" as suas empresas.

Segundo o despacho de pronúncia, em 2001, a Refer, atualmente designada por Infraestruturas de Portugal, pagou 115 mil euros a uma empresa de Manuel Godinho por trabalhos que não foram realizados ou que já tinham sido pagos anteriormente.

Para levar a empresa que gere a rede ferroviária nacional a pagar este montante, o sucateiro terá contado com a ajuda do então responsável pela Via e Geotecnia da Zona Operacional de Conservação Sul.

De acordo com a investigação, o ex-funcionário da Refer, que entretanto foi despedido da empresa com justa causa, recebeu 128 mil euros, como contrapartida.

Manuel Godinho está pronunciado por um crime de corrupção ativa, enquanto o outro arguido responde por um crime de corrupção passiva, sete crimes de falsificação de documento agravado e um de fraude fiscal.

Durante o julgamento, os dois arguidos optaram por não prestar declarações.

Lusa

  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Jornalista bielorrusso come jornal após perder aposta

    Desporto

    Vyacheslav Fedorenko, editor de desporto de um importante jornal da Bielorrúsia, apostou que o Dinamo Minsk não chegaria aos play-offs da Kontinental Hockey League (KHL), uma liga internacional dominada por equipas russas. Perdeu e acabou a comer as próprias palavras, impressas em papel.