sicnot

Perfil

País

Curso de assobio abre em Leiria

A Sociedade Artística Musical dos Pousos (SAMP), em Leiria, abriu um curso de assobio neste ano letivo, uma proposta inédita que teve origem numa aluna que pretendia dar um novo sopro à arte que a acompanha desde criança.

"Eu sempre assobiei, sempre adorei assobiar", disse à agência Lusa Célia Simões, de 51 anos, assumindo que assobia em casa, no carro, na rua, "em todo o lado", para ser mais precisa, mesmo que tal possa originar olhares de admiração ou estranheza.

Esta empregada no comércio, residente em Leiria, manteve, contudo, o desejo de à vertente lúdica somar a parte académica, pelo que bateu à porta da SAMP, onde encontrou nesta escola de artes o local para melhorar a sua capacidade de fazer música expirando ar pelos lábios.

"O assobio é uma coisa que me agrada imenso, mas também vejo como uma arte que pode ser trabalhada, que pode ser melhorada", declarou.

Em maio, escola e aluna começaram a experiência com a professora de canto Isabel Catarino, que resultou, em setembro, na criação do primeiro curso de assobio.

"É uma descoberta mútua, a professora dá-me todos os ensinamentos técnicos e tenho vindo a aprender muito, incluindo saber os meus limites em termos de assobio, no sentido da pauta musical, os mínimos e os máximos, por exemplo", referiu Célia Simões.

Através do assobio, Célia Simões, para já aluna única, percorre vários estilos musicais, do pop ao rock, do soul ao reggae, mas admitiu gostar particularmente de assobiar soul. Agora as aulas, uma vez por semana, passam por árias do século XVIII.

Para o diretor artístico da SAMP, Paulo Lameiro, "assobiar é, claramente, uma arte (...), não tem sido tratada academicamente, mas é um instrumento, funciona como uma flauta, os lábios funcionam como dois biséis, duas arestas, utiliza o mecanismo de respiração exatamente igual a um cantor".

Segundo o musicólogo, "o que se consegue fazer com o assobio está ao mesmo nível do que no violino, na flauta, ou piano ou voz humana".

"A voz humana pode cantar fado, jazz, Schubert, Mozart e então o assobio vai fazer o quê? Vai cantar músicas de trabalho? Pois, com certeza. Vai cantar música pop? Pois com certeza. Pode cantar clássico? É claro que pode cantar clássico", continuou.

Paulo Lameiro adiantou que, "por todo o planeta, existem muitas práticas em que o homem assobia não só para comunicar entre si, para se exprimir", mas reconheceu que "a grande diferença do assobio por exemplo em relação à voz é que isso é utilizado muito para comunicar com os animais, com a natureza".

A professora Isabel Catarino explicou que o curso passa por aplicar o canto ao assobio.

"Estamos a desenvolver o mesmo repertório que é trabalhado no canto, quer ao nível das técnicas ou outros aspetos", disse Isabel Catarino, professora do ensino básico formada em canto.

A docente adiantou que como se trata de um curso livre são trabalhados em simultâneo vários estilos musicais, "indo ao encontro das expectativas e gostos da aluna", salientando que o maior desafio que tem em mãos com este projeto "é testar os limites do assobio".

Lusa

  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC