sicnot

Perfil

País

Curso de assobio abre em Leiria

A Sociedade Artística Musical dos Pousos (SAMP), em Leiria, abriu um curso de assobio neste ano letivo, uma proposta inédita que teve origem numa aluna que pretendia dar um novo sopro à arte que a acompanha desde criança.

"Eu sempre assobiei, sempre adorei assobiar", disse à agência Lusa Célia Simões, de 51 anos, assumindo que assobia em casa, no carro, na rua, "em todo o lado", para ser mais precisa, mesmo que tal possa originar olhares de admiração ou estranheza.

Esta empregada no comércio, residente em Leiria, manteve, contudo, o desejo de à vertente lúdica somar a parte académica, pelo que bateu à porta da SAMP, onde encontrou nesta escola de artes o local para melhorar a sua capacidade de fazer música expirando ar pelos lábios.

"O assobio é uma coisa que me agrada imenso, mas também vejo como uma arte que pode ser trabalhada, que pode ser melhorada", declarou.

Em maio, escola e aluna começaram a experiência com a professora de canto Isabel Catarino, que resultou, em setembro, na criação do primeiro curso de assobio.

"É uma descoberta mútua, a professora dá-me todos os ensinamentos técnicos e tenho vindo a aprender muito, incluindo saber os meus limites em termos de assobio, no sentido da pauta musical, os mínimos e os máximos, por exemplo", referiu Célia Simões.

Através do assobio, Célia Simões, para já aluna única, percorre vários estilos musicais, do pop ao rock, do soul ao reggae, mas admitiu gostar particularmente de assobiar soul. Agora as aulas, uma vez por semana, passam por árias do século XVIII.

Para o diretor artístico da SAMP, Paulo Lameiro, "assobiar é, claramente, uma arte (...), não tem sido tratada academicamente, mas é um instrumento, funciona como uma flauta, os lábios funcionam como dois biséis, duas arestas, utiliza o mecanismo de respiração exatamente igual a um cantor".

Segundo o musicólogo, "o que se consegue fazer com o assobio está ao mesmo nível do que no violino, na flauta, ou piano ou voz humana".

"A voz humana pode cantar fado, jazz, Schubert, Mozart e então o assobio vai fazer o quê? Vai cantar músicas de trabalho? Pois, com certeza. Vai cantar música pop? Pois com certeza. Pode cantar clássico? É claro que pode cantar clássico", continuou.

Paulo Lameiro adiantou que, "por todo o planeta, existem muitas práticas em que o homem assobia não só para comunicar entre si, para se exprimir", mas reconheceu que "a grande diferença do assobio por exemplo em relação à voz é que isso é utilizado muito para comunicar com os animais, com a natureza".

A professora Isabel Catarino explicou que o curso passa por aplicar o canto ao assobio.

"Estamos a desenvolver o mesmo repertório que é trabalhado no canto, quer ao nível das técnicas ou outros aspetos", disse Isabel Catarino, professora do ensino básico formada em canto.

A docente adiantou que como se trata de um curso livre são trabalhados em simultâneo vários estilos musicais, "indo ao encontro das expectativas e gostos da aluna", salientando que o maior desafio que tem em mãos com este projeto "é testar os limites do assobio".

Lusa

  • Cristas acusa Costa de mentir sobre acordo da concertação social
    3:01

    Economia

    A presidente do CDS acusou esta terça-feira o primeiro-ministro de mentir no debate quinzenal, ao dizer que o acordo da concertação social já estava assinado. Foi o momento mais aceso, com Assunção Cristas a dizer que António Costa não tem condições para chefiar o Governo.

  • Trump prestará juramento com a duas bíblias

    Mundo

    Donald Trump prestará juramento, na próxima sexta-feira, como o 45.º Presidente dos Estados Unidos, usando duas Bíblias - a sua, oferecida pela sua mãe, e a que Abraham Lincoln usou na sua posse, há 150 anos.

  • Esta foto pode salvar a sua vida

    Mundo

    Podemos até estar familiarizados com os sinais do cancro da mama, mas quando se trata de identificar sintomas visuais nos nossos próprios seios, já não é tão fácil. Por isto, uma designer resolveu mostrar como descobrir sinais através de uma ajuda improvável: limões.

    Rita Ferro Alvim