sicnot

Perfil

País

Amnistia entregou petições sobre direitos humanos na embaixada de Angola

A secção portuguesa da Amnistia Internacional saudou o diálogo e registou "preocupação" por parte dos diplomatas angolanos que receberam hoje na embaixada de Angola em Lisboa 42 mil assinaturas referentes a petições sobre direitos humanos em Angola.

A Amnistia Internacional tem batalhado pela libertação dos ativistas políticos em Angola

A Amnistia Internacional tem batalhado pela libertação dos ativistas políticos em Angola

(LUSA/ ARQUIVO)

As assinaturas dizem respeito a petições pela liberdade dos 15 prisioneiros de consciência, detidos desde junho, em Luanda (38.496 assinaturas) mas também sobre o caso judicial do ativista Rafael Marques (884 assinaturas, sendo que a primeira campanha atingiu as 11 mil assinaturas) e outra que apela à libertação de Marcos Mavungo (2.271 assinaturas) condenado a seis anos de cadeia efetiva em Cabinda.

"Houve abertura ao diálogo, houve demonstração de preocupação relativamente aos casos em apreço e consideramos que a abertura à Amnistia Internacional, nestas situações, vai continuar. Esperamos que continue esta abertura", disse aos jornalistas Antónia Barradas, responsável pelas relações institucionais e política externa da organização não-governamental.

"O feedback foi de preocupação e interesse nos casos que viemos expor", sublinhou Antónia Barradas, sem especificar o teor das "preocupações" dos diplomatas, com quem esteve reunida na embaixada da República de Angola, em Lisboa, durante cerca de meia hora.

"A ministra conselheira Isabel Godinho esteve presente como encarregada de Negócios, o embaixador não pôde estar presente. No entanto, foram ouvidas as nossas pretensões. A ministra conselheira ouviu-nos e recebeu as petições dos vários casos e tomou boa nota e registou as pretensões da Amnistia Internacional", acrescentou Antónia Barradas.

Foi também referido pela Amnistia Internacional o documento do relator especial de defensores de Direitos Humanos da ONU, Michel Frost, divulgado esta semana, e que foi subscrito por vários relatores de direitos humanos.

Segundo a responsável da Amnistia Internacional, o documento era do conhecimento da ministra conselheira e dos adidos da embaixada presentes na reunião.

"Foi reiterado o que já tínhamos referido na reunião com o Ministério dos Negócios Estrangeiros português: que, ao nível das Nações Unidas, foi recomendada a Angola que convidasse o relator especial de Liberdade de Expressão, convite que ainda não foi feito", explicou Antónia Barradas.

Segundo a Amnistia Internacional (AI), a maior parte das assinaturas que foram entregues hoje na Embaixada de Angola são de cidadãos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

A AI apelou ainda à participação na vigília de solidariedade que se realiza hoje às 18:30 na Praça do Rossio, "pela libertação dos presos de consciência angolanos", entre os quais, Luaty Beirão que cumpriu 36 dias de greve de fome em protesto contra o processo por tentativa de golpe de Estado a que estão sujeitos desde junho.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.