sicnot

Perfil

País

Mãe acusada de agredir e sequestrar professora na Amadora nega crimes em tribunal

A mãe de uma aluna de uma escola secundária da Amadora, acusada de ter sequestrado, agredido e ameaçado uma professora, em maio de 2014, começou hoje a ser julgada e negou a autoria dos crimes.

A mulher, residente no concelho de Amadora, responde em tribunal por sequestro, ofensa à integridade física qualificada e por um crime de ameaça agravado.

Segundo o despacho de acusação do MP, proferido em abril, a arguida, mão de uma aluna da escola, deslocou-se ao estabelecimento de ensino, no dia 07 de maio de 2014, para falar com a diretora de turma na sequência da comunicação de faltas injustificadas da filha.

"Insatisfeita com as explicações recebidas, a arguida bateu por duas vezes na professora (...) e manteve-a fechada dentro da sala de atendimento, cuja saída barrou, impedindo a docente de sair como era sua vontade, até que esta logrou fazer um telefonema a pedir auxílio", sustenta o MP.

Hoje de manhã, na primeira sessão do julgamento, que decorre no Tribunal da Comarca da Grande Lisboa/Noroeste, na Amadora, quando confrontada pela juíza e pela procuradora do Ministério Público, a arguida negou que tenha tocado na professora, acusando a docente de estar a "inventar as acusações".

"Eu estou abismada com isto. Não percebo porque é que ela está a dizer que eu lhe bati. Em nenhum momento toquei na senhora", afirmou.

Ao invés, a mulher defendeu-se, acusando a professora de ter sido "mal-educada" e de se ter negado a falar com ela por mais de cinco minutos: "Desde que cheguei à sala que gritou comigo e disse que só tinha cinco minutos para me receber. Eu permanecia impávida e serena", contou.

Além de ter negado as agressões, a encarregada de educação negou também que tenha sequestrado a docente na sala dos diretores de turma, referindo que a porta nunca esteve trancada: "A porta nem sequer tinha fechadura. Se a professora quisesse ter saído podia ter saído", justificou.

Versão contrária apresentou a professora vítima das supostas agressões, referindo ao tribunal que durante o diálogo com a mãe da aluna manteve sempre a postura mais calma possível.

"Até àquele dia a senhora nunca tinha ido à escola. Ela foi sempre informada da data das reuniões e das faltas da filha. Não consigo perceber o que a motivou a agredir-me", contou.

Para corroborar esta versão estiveram na sessão duas professoras, que auxiliaram a vítima quando esta pediu auxílio, e a funcionária que recebeu a chamada de socorro.

As duas docentes confirmaram ao tribunal que a vítima foi encontrada com a "face vermelha e com marcas de dedo".

Por seu turno, o MP, já na fase das alegações finais, defendeu a condenação da arguida, uma vez que esta "não admitiu os factos, nem mostrou consciência crítica relativamente à sua conduta".

Contudo, uma vez que a arguida não tem antecedentes criminais, o MP considerou que deveria existir lugar a uma pena de prisão, mas que esta deveria ser suspensa na sua execução.

Já a advogada da arguida destacou o facto de as agressões não terem sido vistas por ninguém e considerou não estarem reunidos todos os pressupostos para o crime de sequestro.

A leitura da sentença ficou marcada para o dia 09 de novembro, pelas 14:00.

Lusa

  • Pagaram 10 libras por diamante que vale milhares

    Mundo

    Há 30 anos um comprador adquiriu um anel de diamantes de 26.27 quilates por apenas 10 libras (cerda de 11 euros) numa feira em Isleworth, no oeste Londres. O proprietário passeou durante três décadas com uma peça que valia cerca de 350.000 libras (407.000€) e não sabia. Confessa que até a usava durante as tarefas domésticas.

    SIC

  • Leão-marinho arrasta criança de doca em Vancouver
    0:51

    Mundo

    O momento em que um leão-marinho arrasta uma menina para a água foi gravado e publicado na internet. Sem nada que fizesse prever, o animal puxou a criança que estava sentada numa doca em Vancouver, no Canadá. A criança foi resgatada de imediato por um familiar e apesar do susto não sofreu ferimentos. O momento de aflição foi testemunhado por vários turistas.

  • Caçador morre esmagado por elefante

    Mundo

    Um famoso caçador morreu na sexta-feira após ser esmagado por um elefante quando estava a caçar. A morte foi confirmada pelas autoridades do Zimbabué, que adiantaram ainda que o animal foi morto por um dos caçadores do grupo de Theunis Botha.