sicnot

Perfil

País

Português preso nas Maurícias transferido para Portugal por razões humanitárias

Um cidadão português, que se encontrava preso nas ilhas Maurícias há cerca de seis anos por tráfico de droga, foi hoje transferido por razões humanitárias para Portugal, onde continuará a cumprir a pena, anunciou o Governo.

Em comunicado, o gabinete do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário, expressa a sua "satisfação por este desfecho" e agradece ao Governo das Maurícias a "compreensão por uma situação de caráter humanitário", recordando que o homem, "já com 72 anos, poderá cumprir a restante pena em Portugal e receber visitas e o apoio da sua família".

Fonte do gabinete de José Cesário disse à Lusa que o cidadão português foi condenado em 2009 a 28 anos de prisão nas Maurícias.

O Governo português procurou, numa primeira fase, que o homem viesse para Portugal, mas tal não foi possível dada a diferença nas penas -- o Tribunal da Relação homologou a pena em 15 anos, o que impediu então a transferência, uma vez que as autoridades maurícias exigem que a pena homologada seja de pelo menos 70% em relação à condenação original.

A transferência de presos é regulada por mecanismos de cooperação internacional, mas neste caso a diferença da moldura penal entre as Maurícias e Portugal "inviabilizou num primeiro momento a transferência".

"O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, em estreita articulação com o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, apelou às autoridades maurícias para que, a título extraordinário e tendo em atenção a situação humanitária (condições de saúde e extremo isolamento do preso face à distância de Portugal), pudessem autorizar a transferência", pedido que foi atendido, acrescenta a nota do Palácio das Necessidades.

A transferência foi concretizada hoje.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.