sicnot

Perfil

País

Santa Casa inaugura simulador sísmico nos 260 anos do terramoto de Lisboa

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) inaugura no domingo um simulador sísmico que vai permitir à população sentir o que acontece durante um sismo, no dia em que se assinalam 260 anos do terramoto de Lisboa.

Pintura de Marquês de Pombal e os planos de reconstrução de Lisboa após o terramoto de 1755.

Pintura de Marquês de Pombal e os planos de reconstrução de Lisboa após o terramoto de 1755.

Reuters

"A placa simula uma trepidação semelhante a um sismo, para que as pessoas possam experienciar, estando a terra a tremer debaixo de si, como é que depois procedem nos três gestos que salvam: baixar, proteger e aguardar", explicou à Lusa Lídio Lopes, responsável pela segurança da SCML.

No domingo, a placa simuladora estará no Largo Trindade Coelho, em Lisboa, onde se situa a sede da SCML, mas depois, de 02 a 07 de novembro, estará disponível para os utentes, colaboradores e comunidade no Polo de Inovação Social da Mitra, entre as 09:00 e as 17:30.

Na manhã de domingo, a companhia de teatro Lua Cheia realizará uma pequena performance no percurso entre o Largo Trindade Coelho, o Largo do Chiado, o Largo do Carmo, o Rossio e o Terreiro do Paço, simulando um ambiente familiar, com o objetivo de transmitir boas práticas de segurança à população.

"A SCML tem uma relação direta com a data, porque já existia em 1755 e viu o seu património destruído, nomeadamente a sua sede. E, por isso, entende ser seu dever, tal como naquela altura, em que ajudou quem precisava, contribuir hoje para informar os seus utentes, os seus colaboradores, mas também a população para os bons comportamentos a adotar em situação de catástrofe natural, em especial de risco sísmico", acrescentou Lídio Lopes.

O programa inclui, ainda, uma mesa redonda sobre o risco sísmico, na segunda-feira, às 16:00, na sala das extrações da SCML, em que vai participar um técnico da Autoridade Nacional de Proteção Civil, um técnico do Serviço Municipal de Proteção Civil e o Martunis, o jovem que foi encontrado na Indonésia com a camisola da seleção nacional 23 dias depois do 'tsunami' de 2004.

No dia 01 de novembro de 1755, milhares de pessoas morreram em Lisboa, na sequência de um terramoto que se calcula hoje ter tido 8,5 na escala de Richter, seguido por um maremoto e um fogo que destruiu praticamente a baixa da cidade.

De acordo com um estudo recente do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), um próximo terramoto em Portugal, com as atuais condições poderá matar entre 17 a 27 mil pessoas, sobretudo na Grande Lisboa, Vale do Tejo, Costa Alentejana e no Algarve.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.