sicnot

Perfil

País

Todos os dias é cometido um crime de maus tratos e abandono de animais

Pelo menos um crime de maus tratos e abandono de animais por dia foram participados pela GNR aos tribunais desde a entrada em vigor da lei que criminaliza estes atos, há um ano, num total de 452 crimes.

© STRINGER Mexico / Reuters

Os maus tratos e o abandono de animais deram origem a mais de uma participação por dia ao tribunal, num total de 452 crimes encaminhados pela GNR desde a entrada em vigor da lei que criminaliza estes atos.

De acordo com a GNR, desde a entrada em vigor da lei, em outubro de 2014, e o dia 27 de setembro deste ano, esta força de segurança participou ao tribunal um total de 452 crimes, dos quais 331 por maus tratos e 121 por abandono.

Setúbal (43), Faro (38) e Braga (36) foram os distritos com mais crimes de maus tratos registados.

Em relação ao abandono de animais de companhia, o distrito de Lisboa lidera, com 16 crimes participados ao tribunal.

Os infratores são maioritariamente particulares, com os cães e gatos a serem os animais que mais são alvo deste tipo de crimes: 95 por cento.

Estes crimes foram detetados na área de influência da GNR, desconhecendo esta força de segurança o desfecho que os casos tiveram em tribunal.

A atuação da GNR ocorreu após denúncias efetuadas para a Via Linha SOS (808200520), por correio eletrónico (sepna@gnr.pt) ou nos postos territoriais da Guarda.

Desde o início do ano, e apenas em relação à Grande Lisboa, a PSP encaminhou para o Ministério Público 200 situações de maus tratos e abandono de animais, das quais 141 deram origem a processos-crime, revelou esta força policial.

Segundo a PSP, entre janeiro e agosto deste ano, foram elaboradas pela PSP de Lisboa 200 peças de expediente relacionadas com maus tratos (93) e abandono (107) de animais.

Deste expediente enviado para o Ministério Público, adiantou, 141 seguiram para inquérito, revelou Marta Miguel.

Entre o início do ano e setembro, esta força de segurança instaurou 259 contraordenações

Portugal tem desde outubro de 2014 uma lei que criminaliza os maus tratos e o abandono dos animais.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC