sicnot

Perfil

País

Câmara de Lisboa e instituto japonês trocam conhecimento sobre desastres naturais

A Câmara de Lisboa e o instituto japonês Hyogo Research Institute assinaram hoje um acordo de cooperação que visa a produção de conhecimento sobre desastres naturais, através da partilha de experiências, destacando a importância de consciencializar os cidadãos.

© Issei Kato / Reuters

Segundo o vereador da Segurança, Proteção Civil e Relações Internacionais da Câmara de Lisboa, Carlos Manuel Castro, a cooperação com o instituto de pesquisa de Hyogo, no Japão, vai permitir a "qualificação dos quadros técnicos do município" na área da proteção civil, possibilitando "conhecer mais e melhor a realidade para fazer face aos desastres naturais".

"Não temos noção do impacto que teria hoje na cidade se acontecesse o que aconteceu há 260 anos [terramoto de 1755]. Aquilo que percebemos, e é essa a grande lição que o Japão dá ao mundo, é que dotando as pessoas de mais meios e de consciência daquilo que são os riscos teremos uma capacidade melhor de responder a esses desafios", disse o vereador.

No âmbito da conferência internacional "O Terramoto de 1755 -- Lisboa Resiliente", que decorre hoje na capital, o vereador justificou a cooperação com o Japão por ser um país que enfrenta desastres naturais com muita frequência, pelo que "tem um conhecimento muito mais aprofundado do que a maior parte dos países europeus".

"O que é necessário é obter os melhores conhecimentos, as melhores práticas e depois, naturalmente, adaptá-las à realidade", afirmou o autarca, considerando que, se a cidade de Lisboa voltar a ser confrontada com uma catástrofe natural, o município e os cidadãos vão estar, "seguramente, mais preparados e mais habilitados para lidar com essas situações".

A realidade japonesa demonstra que "80% dos resgates em caso de desastres naturais são feitos pelas próprias pessoas", disse o vereador, reforçando que é importante consciencializar os cidadãos para os riscos que existem e ensinar como devem atuar.

Além de saber como agir face a um terramoto, Carlos Manuel Castro frisou que é importante "trabalhar noutras áreas, que são cada vez mais prementes, como a questão das alterações climáticas", assim como as inundações.

Para o presidente do Hyogo Research Institute, Makoto Iokibe, o terramoto de 1755, em Lisboa, "foi realmente um grande desastre natural, não só pela sua dimensão de catástrofe natural, mas também porque aconteceu na capital", afirmando que "é impressionante a gestão de crise que o Marquês de Pombal fez", dando uma resposta imediata de reconstrução da cidade.

"Infelizmente, [no Japão] temos muitos mais desastres naturais do que em Portugal", afirmou, referindo, há 20 anos, houve um terramoto em Kobe em que morreram seis mil pessoas e, há quatro anos, aconteceu o grande terramoto do leste do Japão, que provocou a morte de 20 mil pessoas, e que foi seguido de um 'tsunami' e de uma catástrofe nuclear.

O Japão tem "grande experiência em termos de proteção civil e gestão de desastres naturais", considerou Makoto Iokibe, acrescentando que também fazem muita investigação sobre estes temas.

Segundo o responsável do instituto de Hyogo, em situações de catástrofes as pessoas têm que saber organizarem-se em comunidade e haver ajuda mútua, frisando que "é extremamente importante no salvamento".

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57