sicnot

Perfil

País

Dívida do Estado às farmácias ronda os 100 milhões de euros

O Estado deve às farmácias quase 100 milhões de euros em comparticipações de medicamentos. A notícia é avançada pelo Diário de Notícias.Uma dívida acumulada desde junho em três das cinco Administrações Regionais de Saúde do país. O maior valor em falta, desde março de 2005, atingiu os 160 milhões de euros.

O Norte é a região que mais deve às farmácias. Quase 70 milhões de euros relativo a apenas dois meses (julho e agosto de 2015).

Segue-se a ARS do Centro com mais de 18 milhões em dívida mas só do mês de agosto. A ARS do Alentejo com quase 11 milhões de euros em falta, também relativo aos meses de julho e agosto.

Ao Diário de Notícias, o presidente da ARS garante que já foi paga uma parte desta dívida e até ao final do ano ficará tudo acertado.

Numa situação que decorre do défice orçamental entre os 15 e os 17 milhões de euros e que costumam ser regularizados por esta altura mas este ano, com a mudança do governo, foi mais condicionada.

Valores confirmados pela FINAN-FARMA, a entidade financeira que adianta às farmácias as comparticipações dos medicamentos comparticipados pelo Estado.

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.