sicnot

Perfil

País

Assis reúne-se com apoiantes no sábado mas recusa indisciplina de voto do PS

O eurodeputado socialista Francisco Assis vai reunir-se com militantes do PS no sábado, na Mealhada, Aveiro, mas garantiu que não apelará ao desrespeita da disciplina de voto quando o parlamento votar o programa do Governo.

MARIO CRUZ


"Não vou apelar a que desrespeitem a disciplina de voto porque a disciplina de voto é importante", declarou ao jornal Público, justificando que, caso contrário, "o país entra num quadro de ingovernabilidade".

"Há princípios que têm de ser respeitados", acrescentou.

Na sequência das eleições legislativas de 04 de outubro passado, o PS tem estado em conversações com o Bloco de Esquerda e com o Partido Comunista Português para um apoio parlamentar que permita a formação de um executivo de esquerda alternativo ao da coligação PSD/CDS-PP.

PS, BE e PCP já anunciaram que vão chumbar o programa do Governo PSD/CDS-PP, que será discutido e votado na Assembleia da Repúbblica a 09 e 10 de novembro.

Nas declarações ao Público, Francisco Assis reafirmou a sua oposição à estratégia do secretário-geral socialista, António Costa, de formar um Governo com apoio do BE e PCP, considerando tratar-se de um "erro histórico" que o PS poderá "pagar caro".

"Um Governo do PS apoiado por um partido tão conservador como é o PCP e por um partido tão contraditório como é o Bloco de Esquerda inibe-nos de ter a capacidade de promover as reformas que o país precisa", defendeu.

Francisco Assis reafirmou ainda que o "PS deveria assumir-se como um partido da oposição com sentido de responsabilidade e, a partir da oposição, construir uma alternativa de governação do país", referindo que "é isso que os portugueses esperam do PS neste momento".

"É fundamental que aqueles que neste momento têm uma divergência profunda [relativamente a um Governo do PS apoiado pelo BE e PCP] se encontrem e que digam claramente que nós estamos aqui para dizer que há outro caminho, que há outra via, que temos um entendimento do que deve ser o papel do PS completamente distinto daquele que neste momento parece prevalecer no interior do partido. É só isso e nada mais", acrescentou, sobre o almoço do próximo sábado.

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.