sicnot

Perfil

País

BE e ministro Costa Neves falaram de relações institucionais em reunião "sem história"

As relações institucionais com um Governo "a prazo" estiveram hoje em cima da mesa no encontro do Bloco de Esquerda com o ministro dos Assuntos Parlamentares, que o líder da bancada bloquista resumiu como "uma reunião sem grande história".

"Falámos das relações institucionais que existem com um Governo que está a prazo, mas que em todo o caso é aquele que neste momento existe. Mas, não avançámos mais do que isso", afirmou o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, em declarações jornalistas no final do encontro com o novo ministro dos Assuntos Parlamentares, Carlos Costa Neves.

O encontro, que decorreu numa das salas da bancada do BE na Assembleia da República e durou cerca de meia hora, foi resumido por Pedro Filipe Soares como tendo sido "uma reunião sem grande história, a não ser uma repetição de um ato que é normal neste tipo de situações".

"Acedemos ao pedido de reunião que nos foi feito com a disponibilidade institucional que é prevista", acrescentou, insistindo que se trata de "um Governo a prazo" e que o encontro foi apenas "uma ação institucional, sem qualquer consequência do ponto de vista político".

Ainda segundo o líder do grupo parlamentar do BE "não esteve em cima da mesa qualquer tipo de acordo", até porque "não fazia sentido", e a conversa girou toda à volta do tema das relações institucionais.

Pedro Filipe Soares adiantou também que não foi transmitida qualquer indicação sobre a data em que o programa do Governo será entregue na Assembleia da República e que, por agora, o BE está a trabalhar com o prazo adiantado na última conferência de líderes, ou seja, "quinta-feira ao final do dia ou sexta-feira de manhã".

De fora do encontro estiveram igualmente as anunciadas moções de rejeição ao programa do Governo, segundo o líder da bancada do BE.

Questionado sobre as negociações do BE com o PS, Pedro Filipe Soares escusou-se a comentar as notícias que referem que já existe acordo, limitando-se a dizer que "é um processo em curso".

À tarde o ministro dos Assuntos Parlamentares vai reunir-se com os líderes parlamentares da coligação PSD/CDS-PP, com o PS e com o PCP, estando previsto que fale aos jornalistas apenas no final do encontro com a bancada comunista

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.