sicnot

Perfil

País

Funeral do cineasta José Fonseca e Costa realiza-se hoje

O funeral do realizador José Fonseca e Costa realiza-se hoje, no Cemitério dos Prazeres, em Lisboa, disse à Lusa fonte da família.

O funeral está marcado para as 15:00.

José Fonseca e Costa, falecido no passado domingo, aos 82 anos, vai ser homenageado na quarta-feira pela Cinemateca Portuguesa, em Lisboa, com a exibição do seu filme "Sem sombra de pecado".

A sessão, de entrada livre, está marcada para as 21:30, e tem lugar na sala Félix Ribeiro da Cinemateca - Museu do Cinema, à rua Barata Salgueiro, em Lisboa.

A trama de "Sem sombra de pecado" desenrola-se em Lisboa, no ano de 1943, com a II Guerra Mundial em "pano de fundo", e conta com os desempenhos de, entre outros, Victoria Abril, Mário Viegas, Isabel de Castro, João Perry, Armando Cortez e Lia Gama.

Realizado em 1982, "Sem sombra de pecado" é baseado no conto "E aos costumes disse nada", de David Mourão-Ferreira, que assina o argumento com o realizador, e constitui um dos primeiros filmes, como diretor de fotografia, do premiado Eduardo Serra ("Harry Potter", "Rapariga do brinco de pérola", "Diamantes de sangue").

Fonseca e Costa faleceu no domingo, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, vítima de uma pneumonia.

Em declarações à agência Lusa, o produtor Paulo Branco afirmou que, apesar de já estar doente, o realizador decidiu avançar com o seu mais recente projeto, "Axilas", filme "baseado num conto do [escritor brasileiro] Rubem Fonseca, com argumento de Mário Botequilha".

O documentário "Mistérios de Lisboa" (2009), baseado no livro de Fernando Pessoa "O que o turista deve ver em Lisboa", com música de Duarte, e a longa-metragem "Viúva rica, solteira não fica" (2006) são os dois anteriores trabalhos do cineasta.

Em 2014, o realizador foi distinguido pela Academia Portuguesa de Cinema com o Prémio de Carreira.

"O Fascínio" (2003), "Cinco Dias, Cinco Noites" (1996), a partir de Manuel Tiago/Álvaro Cunhal, "Os Cornos de Cronos" (1991), inspirado no romance de Américo Guerreiro de Sousa, "A Mulher do Próximo" (1988), comédia com argumento do realizador e de Miguel Esteves Cardoso, "Balada da Praia dos Cães" (1987), drama protagonizado por Raul Solnado, sobre o romance de José Cardoso Pires, "Kilas, o mau da fita" (1980) e "Os Demónios de Alcácer Quibir" (1977) são outros filmes de Fonseca e Costa.

A longa-metragem de estreia do realizador, "O Recado", rodado em 1971, em plena ditadura, lidava de frente com a ação da PIDE, a polícia política do regime.

Maria Cabral, José Viana e Luís Filipe Rocha, o futuro realizador de "A fuga", "Cerromaior" e "Outra margem", eram os protagonistas desta obra, estreada em 1972, distinguida com uma menção honrosa no Festival de San Remo, que se tornou exemplo das produções do Novo Cinema português.

Fazem também parte da obra de Fonseca e Costa, produções tão distintas como o documentário "Música, Moçambique!" (1980), e filmes promocionais, em que ensaiou a expressão cinematográfica, como "A metafísica do chocolate" - designação que remete para "Tabacaria", de Álvaro de Campos -, sobre a antiga fábrica Favorita, em Lisboa, e "A Cidade" (1967), documentário sobre Évora.

Fonseca e Costa iniciara a sua carreira em Itália, como assistente de Michelangelo Antonioni.

O documentário "E era o mar" sobre o Hotel do Mar, do arquitecto Conceição Silva, em Sesimbra, constitui a primeira obra assinada, do cineasta.

Fonseca e Costa e os seus filmes foram distinguidos diversas vezes com o Grande Prémio do Cinema Português ("Balada da Praia dos Cães", "Mulher do Próximo"), Globo de Ouro ("Cinco dias cinco noites") e em festivais como o de Madrid, de Huelva ou de Gramado.

Lusa

  • Funeral de José Fonseca e Costa realiza-se amanhã
    2:43

    Cultura

    O funeral de José Fonseca e Costa realiza-se amanhã.O realizador morreu ontem, vítima de uma pneumonia. Tinha 82 anos.Era um dos nomes mais importantes do Cinema Novo Português, responsável por alguns dos grandes êxitos do cinema, sobretudo nas décadas de 80 e 90, como "Kilas o Mau da Fita".

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59