sicnot

Perfil

País

Tiroteio em Loures está a ser investigado pela PJ no local

A Polícia Judiciária encontra-se desde o início da tarde desta terça-feira na urbanização Quinta das Mós, em Loures, a investigar a justificação para um tiroteio que causou ferimentos em duas pessoas, mas as versões são várias.

Os motivos que estiveram na origem dos desacatos ainda não são conhecidos, sendo que alguns moradores, ouvidos pela Lusa, contaram versões diferentes do que se terá passado, mas todos referiram que os suspeitos não vivem na urbanização.

Os motivos que estiveram na origem dos desacatos ainda não são conhecidos, sendo que alguns moradores, ouvidos pela Lusa, contaram versões diferentes do que se terá passado, mas todos referiram que os suspeitos não vivem na urbanização.

SIC

Um tiroteio na urbanização Quinta da Mós, na freguesia de Camarate, Loures, causou hoje ferimentos ligeiros num homem de 18 anos e numa mulher de 30, que foram depois para o Hospital de Loures.

De acordo com o Instituo Nacional de Emergência Médica (INEM), o alerta foi dado às 12:17.

Por volta das 14:00, segundo constatou a agência Lusa no local, encontravam-se no bairro uma carrinha da PSP, uma ambulância dos bombeiros de Camarate e alguns elementos da Polícia Judiciária, que interrogavam moradores do bairro.

A essa altura, o ambiente no bairro estava calmo, mas muitas pessoas encontravam-se junto à entrada dos prédios, a observar e a comentar o aparato policial.

Os motivos que estiveram na origem dos desacatos ainda não são conhecidos, sendo que alguns moradores, ouvidos pela Lusa, contaram versões diferentes do que se terá passado, mas todos referiram que os suspeitos não vivem na urbanização.

Já o comandante dos Bombeiros de Camarate, Luís Martins, referiu que as vítimas ficaram "ambas com ferimentos ligeiros".

No local estiveram duas ambulâncias, dos bombeiros de Camarate e dos Bombeiros de Odivelas, e uma viatura médica do Hospital de Santa Maria.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite