sicnot

Perfil

País

Assis adia encontro da Mealhada por coincidir com Comissão Nacional do PS

O eurodeputado socialista Francisco Assis decidiu hoje cancelar um almoço de militantes que se opõem a um Governo de "frente de esquerda", no sábado, na Mealhada, por coincidir com a realização da Comissão Nacional do PS.

As declarações de Portas não ficaram sem resposta, com Assis a acusar o presidente do CDS-PP, de "tentar fugir ao debate do presente e do futuro" e a defender que no próximo domingo "também" vai estar em causa a avaliação do atual Governo PSD/CDS-PP.

As declarações de Portas não ficaram sem resposta, com Assis a acusar o presidente do CDS-PP, de "tentar fugir ao debate do presente e do futuro" e a defender que no próximo domingo "também" vai estar em causa a avaliação do atual Governo PSD/CDS-PP.

NUNO VEIGA

"Logo que tive conhecimento da realização da Comissão Nacional do PS, no sábado [em Lisboa, pelas 15:30], decidi imediatamente cancelar o encontro", declarou à agência Lusa Francisco Assis.

Na sequência do último congresso nacional do PS, em novembro do ano passado, Francisco Assis abandonou todos os órgãos partidários.

Caso não haja uma abertura especial à participação nas duas reuniões de deputados e eurodeputados do PS, Francisco Assis deverá estar ausente tanto da Comissão Nacional de sábado, como da Comissão Política de domingo, onde serão discutidos os resultados das conversações entre socialistas, PCP e Bloco de Esquerda para a formação de um Governo alternativo de esquerda.

Francisco Assis disse que decidiu cancelar o encontro da Mealhada "em nome dos superiores interesses do PS e da discussão nos órgãos do partido".

"Obviamente que a Comissão Nacional do PS, até pelo tema em debate, teria de se sobrepor ao nosso encontro [da Mealhada]. Sempre disse que era desejável debater na Comissão Nacional do PS a atuação do partido após as últimas eleições legislativas", frisou.

Francisco Assis fez ainda questão de referir que alguns dos participantes no encontro da Mealhada são também membros da Comissão Nacional do PS, o que reforçou a sua decisão de cancelar o almoço da Bairrada.

Neste encontro, o ex-líder parlamentar do PS preparava-se para lançar uma corrente interno de militantes e simpatizantes socialistas que discordam de uma viragem à esquerda deste partido, principalmente, através da celebração de um acordo de Governo com o PCP e o Bloco de Esquerda.

Este setor do PS, pelo contrário, entende que os socialistas, na sequência dos resultados das últimas eleições legislativas, deveriam ser "oposição responsável" a um Governo PSD/CDS.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.