sicnot

Perfil

País

Portugal tem quase 100 empresas de videojogos

A indústria dos videojogos vale mais do que a do cinema e música juntas e, só em Portugal, já existem quase cem empresas nesta área, revelaram hoje responsáveis do Lisboa Games Week, a decorrer na FIL.

ANT\303\223NIO COTRIM

Começou hoje na Feira Internacional de Lisboa (FIL), no Parque das Nações, a segunda edição do Lisboa Games Week, onde os visitantes podem assistir ao lançamento de novos jogos, participar em competições ou recordar as velhinhas máquinas que existiam nas salas de jogos dos finais do século passado.

Numa área com cerca de 10 mil metros quadrados, centenas de consolas e computadores apresentam os mais variados jogos disponíveis para todos os que visitem a exposição, que termina domingo à noite.

"Este é o grande evento da indústria dos videojogos, onde se apresentam as grandes ante-estreias e os videojogos que vão ser lançados agora, no natal e até alguns que só irão ser lançados em 2016", contou à Lusa Pedro Silveira, responsável pela organização, acrescentando que ali também se pode conhecer os mais famosos youtubers ou descobrir o que andam a fazer os portugueses nesta área.

O Lisboa Games Week é também um espaço onde os mais novos podem encontrar futuras vocações profissionais e conhecer algumas das empresas portuguesas do ramo.

"Neste momento a indústria dos videojogos é a mais lucrativa do entretenimento, faz 100 biliões de dólares. É mais lucrativa do que a indústria do cinema e da música, juntos", disse à Lusa Ivan Barroso, o coordenador do espaço da indústria portuguesa, sublinhando que existem quase 100 empresas portuguesas.

Ivan Barroso acredita que Portugal está a viver um novo bom de desenvolvimento de jogos e que este deve ser o produto mais facilmente exportável.

"A maior empresa portuguesa emprega já mais de 100 pessoas", acrescentou, lembrando que para se fazer um jogo são precisos profissionais das mais diversas áreas das artes mas também das ciências.

Além dos programadores e engenheiros, um estúdio de videojogos precisa de designers, artistas, cinematógrafos, guionistas, sonoplastas, atores, modeladores 3D, animadores 2D e 3D, profissionais da área da publicidade e marketing e até advocacia, contou.

Os últimos estudos indicam que em Portugal, o negócio dos videojogos mobile valem já 30 milhões de euros.

No ano passado, cerca de 30 mil pessoas visitaram a primeira edição do Lisboa Games Week e este ano a organização espera crescer e chegar aos 40 ou 50 mil visitantes. "Esta quinta-feira já passaram três vezes mais pessoas do que no ano passado (no mesmo dia)", revelou Pedro Silveira, ao início da tarde de hoje.

Para Ivan Barroso, "esta é a indústria de futuro deste milénio".

Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada desde domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.