sicnot

Perfil

País

Cana-de-açúcar testada com sucesso no tratamento de águas residuais

O uso de cana-de-açúcar no tratamento de águas residuais foi testado com sucesso na Universidade de Aveiro, tendo a vantagem de poder ser usada para produzir biocombustível, revelou hoje fonte académica.

© Marco Garcia / Reuters

A experiência foi feita com uma ETAR piloto, pela doutoranda Mafalda Vaz, no âmbito de um trabalho de doutoramento em Ciências e Engenharia do Ambiente, da Universidade de Aveiro (UA).

Segundo Mafalda Vaz, a cana-de-açúcar pode ser utilizada com eficácia e "dupla vantagem" em estações de tratamento de águas residuais (ETAR) de plantas, substituindo as tradicionais macrófitas, tais como o caniço.

Além de comprovar em protótipo a eficiência no tratamento de efluentes, a doutoranda defende que a cana-de-açúcar pode ser usada para a produção de biocombustível, sendo uma alternativa sustentável e de valor acrescentado face aos sistemas convencionais de tratamento de efluentes.

As macrófitas são plantas adaptadas a solos alagados e já aproveitadas em algumas estações de tratamento de águas residuais (ETAR) pela sua capacidade depuradora, nomeadamente de fósforo e azoto.

O caniço ('phragmites australis') tem sido uma das macrófitas mais utilizadas no tratamento de efluentes, devido à sua grande capacidade de remoção de poluentes e elevada resistência a condições ambientais extremas, mas pode ser substituído com vantagem pela cana-de-açúcar.

No estudo foi feita a avaliação da eficiência de uma ETAR de plantas à escala piloto, com enchimentos de resíduos e desperdícios de tijolo e calcário, plantadas com cana-de-açúcar.

"Concluiu-se que estes sistemas, quando corretamente operados e dimensionados, são eficazes na remoção de poluentes. A utilização de cana-de-açúcar, que é a grande inovação do trabalho, constitui uma mais-valia, pois trata-se de uma cultura energética que poderá ser diretamente convertida em bioetanol", explicou a doutoranda, em declarações transcritas e divulgadas pela Universidade.

Outra proposta do trabalho, testada na ETAR piloto, é a utilização de desperdícios de tijolo e de telha da construção civil na impermeabilização e como material de enchimento na construção das ETAR de plantas.

Assim evita-se o consumo de matérias-primas e de energia na produção de materiais específicos para o enchimento e soluciona-se a questão da deposição dos desperdícios", conclui Mafalda Vaz, cujo doutoramento é orientado por Isabel Capela, professora do Departamento de Ambiente e Ordenamento da UA, e Dina Mateus, professora do Instituto Politécnico de Tomar.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.