sicnot

Perfil

País

Cana-de-açúcar testada com sucesso no tratamento de águas residuais

O uso de cana-de-açúcar no tratamento de águas residuais foi testado com sucesso na Universidade de Aveiro, tendo a vantagem de poder ser usada para produzir biocombustível, revelou hoje fonte académica.

© Marco Garcia / Reuters

A experiência foi feita com uma ETAR piloto, pela doutoranda Mafalda Vaz, no âmbito de um trabalho de doutoramento em Ciências e Engenharia do Ambiente, da Universidade de Aveiro (UA).

Segundo Mafalda Vaz, a cana-de-açúcar pode ser utilizada com eficácia e "dupla vantagem" em estações de tratamento de águas residuais (ETAR) de plantas, substituindo as tradicionais macrófitas, tais como o caniço.

Além de comprovar em protótipo a eficiência no tratamento de efluentes, a doutoranda defende que a cana-de-açúcar pode ser usada para a produção de biocombustível, sendo uma alternativa sustentável e de valor acrescentado face aos sistemas convencionais de tratamento de efluentes.

As macrófitas são plantas adaptadas a solos alagados e já aproveitadas em algumas estações de tratamento de águas residuais (ETAR) pela sua capacidade depuradora, nomeadamente de fósforo e azoto.

O caniço ('phragmites australis') tem sido uma das macrófitas mais utilizadas no tratamento de efluentes, devido à sua grande capacidade de remoção de poluentes e elevada resistência a condições ambientais extremas, mas pode ser substituído com vantagem pela cana-de-açúcar.

No estudo foi feita a avaliação da eficiência de uma ETAR de plantas à escala piloto, com enchimentos de resíduos e desperdícios de tijolo e calcário, plantadas com cana-de-açúcar.

"Concluiu-se que estes sistemas, quando corretamente operados e dimensionados, são eficazes na remoção de poluentes. A utilização de cana-de-açúcar, que é a grande inovação do trabalho, constitui uma mais-valia, pois trata-se de uma cultura energética que poderá ser diretamente convertida em bioetanol", explicou a doutoranda, em declarações transcritas e divulgadas pela Universidade.

Outra proposta do trabalho, testada na ETAR piloto, é a utilização de desperdícios de tijolo e de telha da construção civil na impermeabilização e como material de enchimento na construção das ETAR de plantas.

Assim evita-se o consumo de matérias-primas e de energia na produção de materiais específicos para o enchimento e soluciona-se a questão da deposição dos desperdícios", conclui Mafalda Vaz, cujo doutoramento é orientado por Isabel Capela, professora do Departamento de Ambiente e Ordenamento da UA, e Dina Mateus, professora do Instituto Politécnico de Tomar.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.