sicnot

Perfil

País

Primeiro grupo de refugiados deverá chegar no final do mês

O primeiro grupo de refugiados, composto por 30 pessoas, deve chegar a Portugal no final de novembro, disse hoje à agência Lusa fonte oficial do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

© Marko Djurica / Reuters

A mesma fonte adiantou que o SEF recebeu hoje à tarde indicações das autoridades italianas sobre a possibilidade de no final do mês chegar a Portugal o primeiro grupo de refugiados, ao abrigo do Programa de Relocalização de Refugiados na União Europeia.

Segundo o SEF, o perfil dos 30 refugiados ainda não é conhecido, estando ainda o serviço de segurança a aguardar mais pormenores sobre quem compõe este grupo.

O primeiro grupo de refugiados é aguardado em Portugal já há algum tempo, estando este processo a ser trabalhado pelas autoridades italianas, pelo que a calendarização da chegada a Portugal "estará sempre diretamente relacionada com a capacidade dessas entidades no processamento dos pedidos e na organização dos processos para distribuição pelos outros Estados-Membros", esclareceu em outubro o SEF.

Portugal vai receber, ao abrigo do Programa de Relocalização de Refugiados na União Europeia, cerca de 4.500 pessoas nos próximos dois anos.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.