sicnot

Perfil

País

GNR realiza campanha nacional de sensibilização junto de peões e ciclistas

Mais de 20 crianças e jovens morrem ou ficam feridos, todas as semanas, na sequência de atropelamentos, indicou hoje a GNR, que, entre domingo e terça-feira, realiza uma campanha nacional de sensibilização junto dos peões e ciclistas.

(SIC/ Arquivo)

Em comunicado, a Guarda Nacional Republicana (GNR) refere que vai realizar, entre domingo e terça-feira, em todo o país, diversas ações de sensibilização com o objetivo de alertar os utentes das vias públicas -- condutores, peões e ciclistas -- para as questões relacionadas com a segurança.

Nestas ações de sensibilização, os militares dos comandos territoriais, da valência de Programas Especiais, vão direcionar muitas das suas ações de sensibilização para a comunidade escolar, adianta a GNR.

Isto porque, segundo a GNR, mais de 20 crianças e jovens morrem ou ficam feridos, todas as semanas, na sequência de atropelamento, representando 32 por cento da totalidade dos acidentes em ambiente rodoviário nestas faixas etárias.

A maioria destes atropelamentos acontece entre os 10 e os 14 anos, em zonas residenciais e durante os percursos casa/escola.

A GNR refere também que, em 2013, 22,6 por cento das 518 vítimas mortais eram ciclistas e peões, enquanto, em 2014, representaram 22,8 por cento dos 482 mortos.

A mais recente alteração ao Código da Estrada introduziu o conceito de utilizador vulnerável, que inclui peões e ciclistas, dando particular destaque às crianças, idosos, grávidas, pessoas com mobilidade reduzida ou portadoras de deficiência, que passaram a beneficiar de especial proteção.

A GNR indica ainda que a campanha pretende também sensibilizar todas as pessoas para responsabilidade que cada um deve ter na estrada, independentemente da sua condição, seja de condutor, peão ou ciclista.

Lusa

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.