sicnot

Perfil

País

Greve na Lufthansa cancela todos os voos entre Frankfurt e Portugal no sábado

A Lufthansa vai cancelar todos os voos entre Frankfurt e Portugal no sábado, na sequência da greve do pessoal de cabine, que se iniciou hoje às 13:00 de Lisboa, segundo fonte oficial da companhia aérea alemã.

Greve na Lufthansa cancela todos os voos entre Frankfurt e Portugal.

Greve na Lufthansa cancela todos os voos entre Frankfurt e Portugal.

© Kai Pfaffenbach / Reuters

No sábado serão cancelados os voos LH116 e LH1172, Frankfurt-Lisboa, LH1176 e LH1180, Frankfurt -- Porto, e o voo LH1162, Frankfurt-Faro.

A Lufthansa prevê cancelar 290 voos hoje, primeiro dia de uma greve do pessoal de cabine, que só deverá terminar na próxima sexta-feira. Já no sábado, a companhia aérea prevê cancelar 520 voos continentais, de um total de 3.000 previstos.

Cerca de 58.000 passageiros deverão ser afetados, bem como o funcionamento dos aeroportos de Frankfurt e de Dusseldorf, devido a esta greve, estima a companhia.

A Lufthansa "lamentou" a decisão do pessoal de cabine nos aeroportos de Frankfurt e Dusseldorf e pediu desculpa aos passageiros, garantindo que "tudo fará para minimizar os danos".

Os 290 voos cancelados hoje incluem 23 intercontinentais, adiantou a empresa num comunicado.

A greve foi convocada pelo UFO para protestar contra os mecanismos de pré-reforma e o sistema de complementos de pensões da Lufthansa.

O pessoal do aeroporto de Munique só vai fazer greve na segunda-feira porque foi tido em consideração o final das férias escolares de outono no Estado federado da Baviera.

Esta greve de pessoal de cabine não vai afetar a Germanwings, filial 'low cost' (baixo custo) da Lufthansa, nem as subsidiárias da empresa Eurowings, Lufthansa CityLine, SWISS, Austrian Airlines, Air Dolomiti e Brussels Airlines.

Lusa

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.