sicnot

Perfil

País

Notificação de casos de legionella aumentou este ano, refere DGS

O diretor-geral de Saúde afirmou hoje que o número de casos notificados de legionella aumentou este ano em Portugal cerca de 50%, indicando que este aumento corresponde sobretudo a uma maior atenção dos serviços de saúde.

Durante este ano houve aumento de notificação, mas todos são casos esporádico, não sob a forma de surto", afirmou o diretor-geral da Saúde, Francisco George

Durante este ano houve aumento de notificação, mas todos são casos esporádico, não sob a forma de surto", afirmou o diretor-geral da Saúde, Francisco George

(LUSA/ ARQUIVO)

Há um ano, um surto de legionella no concelho de Vila Franca de Xira, com maior incidência nas freguesias de Vialonga e da Póvoa de Santa Iria/Forte da Casa, causou 14 mortos e registou mais de quatro centenas de casos.

"O risco de doença dos legionários existe sempre. Todos os anos temos cerca de 100 casos, todos eles quase sempre esporádicos. É natural que os serviços de urgência quando recebem casos graves de pneumonia façam testes para ver se há ou não doença dos legionários. Durante este ano houve aumento de notificação, mas todos são casos esporádico, não sob a forma de surto", afirmou o diretor-geral da Saúde aos jornalistas, à margem de uma conferência em Lisboa.

Francisco George sublinhou "a rapidez de resposta dos serviços de saúde" no caso de Vila Franca de Xira, que foi o segundo maior surto mundial de legionella.

"Vivemos uma situação grave, a segunda maior epidemia de sempre na história mundial de doença dos legionários, com 403 casos confirmados e 14 óbitos. Foi uma situação de grande gravidade que impos a reorganização do parque hospitalar em Lisboa, que teve um empenho magnífico", afirmou.

Sobre uma eventual demora da justiça no caso do surto de Vila Franca, a que aludiu o antigo Presidente da República Jorge Sampaio numa conferência nas comemorações Dia do Instituto Nacional de Saúde, o diretor-geral da Saúde recusou pronunciar-se, adiantando apenas estar "solidário com a população das freguesias atingidas".

Um ano depois de um surto de legionella ter afetado o concelho de Vila Franca de Xira, as vítimas, que viram a sua vida mudar totalmente, continuam a aguardar que a justiça descubra os responsáveis.

Passado um ano ainda decorre um inquérito no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) da Comarca de Lisboa Norte-Vila Franca de Xira.

Numa resposta enviada à agência Lusa, fonte do Ministério Público (MP) adiantou que "os trabalhos já se encontram numa fase avançada" e que ali deram entrada 211 queixas de lesados diretos e de familiares das vítimas.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.