sicnot

Perfil

País

Mãe acusada de agredir professora na Amadora condenada a pena suspensa

O tribunal da Amadora condenou hoje a dois anos e 10 meses de prisão, com pena suspensa por igual período, a mãe de uma aluna acusada de ter sequestrado, agredido e ameaçado uma professora, em 2014.

A arguida, mãe de uma aluna de uma escola secundária da Amadora, estava acusada por sequestro, ofensa à integridade física e por um crime de ameaça agravada.

O tribunal deu como provado que a arguida esteve reunida com a professora, na sala dos diretores de turma, para confrontar a docente com as faltas injustificadas da filha, e durante esse tempo impediu-a de sair da sala, ameaçou-a e "desferiu-lhe duas chapadas na cara".

Embora durante as sessões de julgamento a mãe da aluna tenha negado ter tocado na professora, mesmo quando confrontada com as marcas de dedos encontradas no rosto da docente, confirmadas pelos exames médicos, o tribunal considerou a versão da docente mais "verosímil".

"O tribunal não tem dúvidas de que os factos ocorreram como relatou a ofendida. Ela descreveu de forma clara e explicita o que lhe tinha acontecido", declarou a juíza na leitura da sentença.

Assim, o tribunal condenou a encarregada de educação a uma pena suspensa de prisão de dois anos e 10 meses, pelos crimes de sequestro e de ofensa à integridade física, tendo absolvido a arguida do crime de ameaça, e ao pagamento de uma indemnização de 94 euros, respeitante a despesas médicas.

O tribunal condenou igualmente a arguida a um regime de prova (plano de readaptação), que deverá ser cumprido na íntegra para que a pena de prisão não se torne efetiva.

"Isto que a senhora fez foi gravíssimo. A escola não tem culpa que a sua filha tivesse faltado às aulas. Teve sorte de não ter antecedentes criminais. De futuro, tente saber o que é que a sua filha anda a fazer e vá às reuniões da escola", aconselhou a magistrada.

No final da sessão, a advogada da encarregada de educação abandonou as instalações do tribunal sem prestar declarações aos jornalistas.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.