sicnot

Perfil

País

Marinha assume que faltam meios de prontidão no socorro a náufragos

O Chefe do Estado-Maior da Armada, Luís Fragoso, assumiu hoje que o Instituto de Socorros a Náufragos (ISN) não tem pessoal em número suficiente para funcionar, em prontidão, 24 horas por dia.

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

Reuters

"Há alguns problemas mais localizados, designadamente na zona costeira e no âmbito do Instituto de Socorros a Náufragos, onde há, de facto, limitações de pessoal. Isso é assunto que está para ser resolvido mas, nesta fase, não temos pessoal em número suficiente para garantir uma prontidão em 24 horas por dia", disse a Autoridade Marítima Nacional, o almirante Luís Fragoso, aos jornalistas, na Figueira da Foz.

Em declarações à margem da cerimónia de atribuição da medalha de coragem, abnegação e humanidade, grau ouro, a Carlos Santos - o agente da Polícia Marítima que salvou dois tripulantes no naufrágio do arrastão Olívia Ribau, a 06 de outubro, na Figueira da Foz - Luís Fragoso negou, no entanto, que o que disse ser a "falta de prontidão" da estação salva-vidas da Figueira da Foz tenha estado relacionada com as operações de salvamento, que foram alvo de críticas por parte de pescadores, sindicatos e populares.

O almirante, que é Chefe do Estado-Maior da Armada e que é por inerência a Autoridade Marítima Nacional, aludiu, nomeadamente, ao salva-vidas Patrão Macatrão (que no dia do naufrágio estava avariado, em manutenção, mas já foi reparado), argumentando que, "nesse dia, havia uma alternativa" (uma lancha do ISN, com motor a hélice). No entanto, não podia ser utilizada, por um lado por falta de pessoal, mas também, garante a Autoridade Marítima, dadas as condições adversas do estado do mar e decorrentes do próprio naufrágio, com redes e cabos na água.

"O importante é ter uma alternativa e essa alternativa existia, do ponto de vista do equipamento. O que de facto se verifica é que não tínhamos pessoal em número suficiente para podermos sair com as embarcações. Embora, como já referi e também se confirma, a ação das embarcações estava muito limitada, não só pelo estado do mar, como também pela existência de muitos cabos e redes e aparelhos de pesca na zona", frisou Luís Fragoso.

"Aliás, outras embarcações que mais tarde estiveram na zona [do naufrágio] estiveram com os hélices enleados e tiveram dificuldades de manobra por esse facto", afirmou.

O responsável da Autoridade Marítima Nacional avisou ainda que por mais meios e mais capacidades que estejam ao serviço do salvamento marítimo, "o elemento mais determinante está nas pessoas que andam no mar" e a segurança "é uma responsabilidade de todos os que estão no mar", em particular dos comandantes, patrões e mestres das embarcações.

"O mestre de uma embarcação é sempre responsável não só pela segurança da embarcação que comanda, como também pela segurança de todos os que estão a bordo com ele. É muito importante, fundamental, garantir que pelo menos nas zonas de risco, como é o caso duma entrada de uma barra como a da Figueira da Foz, todos os tripulantes devem envergar o colete de salvação. Isso é fundamental para poder, em caso de acidente, dar mais hipóteses de salvamento", disse Luís Fragoso.

Sobre a ação de salvamento do agente da Polícia Marítima hoje condecorado, o almirante considerou-a "uma atitude de nobreza" e que Carlos Santos "foi um exemplo" que deve ser evidenciado.

"Deixou o seu conforto [estava de licença, em casa], arriscou a sua vida. Foi um salvador muito importante. Num momento difícil conseguiu, com a sua ação, salvar duas vidas", destacou.

Já Carlos Santos, agente do comando da Polícia Marítima de Aveiro mas que reside na Costa de Lavos, a alguns quilómetros do local do naufrágio, agradeceu a condecoração que considerou "uma satisfação".

"Fico feliz por ter conseguido ajudar [no naufrágio]. Fizemos tudo o que conseguimos fazer, quando fazemos aquilo que conseguimos a mais não somos obrigados. Quando temos condições temos de ajudar o próximo, foi isso que aconteceu", afirmou.

No arrastão Olívia Ribau naufragado a 06 de outubro à entrada do porto da Figueira da Foz, seguiam sete pescadores. Dois foram resgatados com vida, uma hora depois do acidente, por Carlos Santos, que tripulava uma moto de água da Polícia Marítima, e cinco morreram.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20