sicnot

Perfil

País

PAN aposta em questões concretas na estreia parlamentar

Na estreia parlamentar, o deputado do PAN deixou esta segunda-feira oito perguntas concretas ao Governo, questionando o primeiro-ministro sobre temas como o desemprego, a saúde, a proteção animal ou o ambiente.

Relativamente ao tema na proteção animal, uma das 'bandeiras' do PAN, André Silva interrogou o primeiro-ministro sobre a disponibilidade do executivo para que os gastos com os animais de companhia possam ser dedutíveis em sede de IRS e para alterar o estatuto jurídico dos animais, para deixarem legalmente de ser "coisas".

Relativamente ao tema na proteção animal, uma das 'bandeiras' do PAN, André Silva interrogou o primeiro-ministro sobre a disponibilidade do executivo para que os gastos com os animais de companhia possam ser dedutíveis em sede de IRS e para alterar o estatuto jurídico dos animais, para deixarem legalmente de ser "coisas".

Lusa

Sentado ao lado da deputada socialista Inês de Medeiros, André Silva começou a sua primeira intervenção no hemiciclo por notar "a nova atenção" que a proteção animal mereceu no programa do Governo, que começou hoje a ser debatido na Assembleia da República.

Depois desta primeira nota, André Silva foi direto às questões que trazia prontas, começando por confrontar o primeiro-ministro com o flagelo do desemprego estrutural que já afeta um milhão de pessoas, portugueses que estão "excluídos de forma permanente do mercado de trabalho".

Depois, o deputado do PAN -- Pessoas, Animais e Natureza - perguntou sobre a disponibilidade do Governo para incluir as terapias não convencionais no Sistema Nacional de Saúde e sobre as intenções do executivo para o setor das águas.

Relativamente ao tema na proteção animal, uma das 'bandeiras' do PAN, André Silva interrogou o primeiro-ministro sobre a disponibilidade do executivo para que os gastos com os animais de companhia possam ser dedutíveis em sede de IRS e para alterar o estatuto jurídico dos animais, para deixarem legalmente de ser "coisas".

A proteção das crianças da violência da tauromaquia, a proibição do cultivo do milho geneticamente modificado e a redução de metano foram as outras perguntas deixadas por André Silva.

Em resposta ao PAN, o único partido que ainda não clarificou o sentido de voto nas moções de rejeição do programa do Governo anunciadas pela esquerda parlamentar, Passos Coelho manifestou abertura para o debate de alguma das matérias abordadas por André Silva, nomeadamente para que os animais possa ser tratados juridicamente de "forma mais favorável" e não como "coisas".

Quanto à dedução das despesas com animais de companhia em sede de IRS, o primeiro-ministro recordou que já existe nas despesas familiares um espaço onde as despesas com animais de companhia podem ser incluídas.

Apesar de não responder diretamente a todas as perguntas, no final Passos Coelho deixou a disponibilidade para "encontrar ideia novas e diferentes abordagens", mas sempre "sujeito à regra da realidade e das restrições que ela oferece".

Lusa

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.