sicnot

Perfil

País

Polícia marítimo atuou "no limite do risco pessoal" no salvamento na Figueira da Foz

O agente da Polícia Marítima (PM) que salvou dois tripulantes do arrastão naufragado na Figueira da Foz atuou "no limite do risco pessoal", numa ação "cheia de espírito de humanidade", lê-se no louvor atribuído pela Autoridade Marítima.

PAULO NOVAIS / Lusa

O louvor, assinado pelo Chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA) e Autoridade Marítima Nacional, almirante Luís Fragoso, a que a agência Lusa teve acesso, faz o relato pormenorizado da operação de salvamento protagonizada pelo agente Carlos Santos, a 6 de outubro, à entrada do porto da Figueira da Foz.

"Concretizou com sucesso o salvamento de dois náufragos que se encontravam dentro de uma balsa salva-vidas, num contexto particularmente adverso de condições de mar e já no arco noturno, utilizando uma mota de água atribuída ao comando local da Polícia Marítima", sustenta.

Frisa ainda que o polícia marítimo, que presta serviço no comando de Aveiro, estava de licença na sua residência, na povoação de Costa de Lavos, a alguns quilómetros a sul do local do naufrágio do arrastão Olívia Ribau, e que, ao tomar conhecimento deste pelo comando da PM da Figueira da Foz, "disponibilizou-se de imediato para ajudar", tendo-se deslocado "até à extremidade do molhe exterior Sul para localizar a embarcação, avaliar a situação e verificar o estado do mar".

Adianta que Carlos Santos teve "consciência da gravidade da situação, com a existência de uma balsa salva-vidas na água, entre molhes, e com o arrastão já afundado junto à extremidade do molhe sul" e "arrogou-se de que se reuniam condições mínimas para resgatar eventuais náufragos".

Nesse sentido, escreve o almirante Luís Fragoso, no louvor que sustenta o despacho de concessão da medalha de coragem, abnegação e humanidade, grau ouro, hoje concedida a Carlos Santos, o agente da PM pediu para ser transportado para a marina da Figueira da Foz, na margem oposta àquela em que se encontrava, local de estacionamento da moto de água da Polícia Marítima, "a fim de a utilizar na ação de salvamento idealizada".

"Com sentido de urgência deslocou-se para a barra para proceder à busca e recolha dos eventuais náufragos que se poderiam encontrar no interior da balsa salva-vidas ou na água", refere o documento, que classifica como "extremamente difícil e arriscada" a operação de salvamento, o que levou a "várias tentativas de aproximação à balsa salva vidas".

O relato da operação assinala ainda que Carlos Santos sentiu "dificuldades" no avistamento da balsa "face à forte e alterosa ondulação no local do acidente", agravadas pela reduzida visibilidade," por ser já de noite", cerca de uma hora após o naufrágio que ocorreu pelas 19:10.

"Repetidas vezes foi forçado a regressar ao abrigo de entre os molhes da barra face à violência do mar, referindo que naquelas condições não havia qualquer segurança para a operação com embarcações", assinala o almirante Luís Fragoso, alegação que a Marinha repetiu, várias vezes, no dias após o naufrágio, face às críticas sobre a operação de salvamento que levaram, inclusivamente, à abertura do um inquérito por parte do Ministério Público.

"De forma obstinada e abnegada, a atuar no limite do risco pessoal, o Agente PM Silva Santos conseguiu alcançar a balsa salva vidas e recolher dois tripulantes, ainda com vida, tendo-os encaminhado na mota de água para terra, sãos e salvos", considera, concluindo ser de "inteira justiça" o louvor público a Carlos Santos "pela ação corajosa, abnegada e cheia de espírito de humanidade, como realizou o salvamento dos náufragos da embarcação Olívia Ribau".

Hoje, questionado pelos jornalistas sobre as conclusões do inquérito interno da Autoridade Marítima sobre a operação de salvamento, o Chefe de Estado-Maior da Armada disse que este "confirma genericamente o que foi na altura falado", mas recusou mais considerações, dado estar a decorrer uma averiguação a cargo do Departamento de Investigação e Ação Penal de Coimbra.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.