sicnot

Perfil

País

Polícia marítimo atuou "no limite do risco pessoal" no salvamento na Figueira da Foz

O agente da Polícia Marítima (PM) que salvou dois tripulantes do arrastão naufragado na Figueira da Foz atuou "no limite do risco pessoal", numa ação "cheia de espírito de humanidade", lê-se no louvor atribuído pela Autoridade Marítima.

PAULO NOVAIS / Lusa

O louvor, assinado pelo Chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA) e Autoridade Marítima Nacional, almirante Luís Fragoso, a que a agência Lusa teve acesso, faz o relato pormenorizado da operação de salvamento protagonizada pelo agente Carlos Santos, a 6 de outubro, à entrada do porto da Figueira da Foz.

"Concretizou com sucesso o salvamento de dois náufragos que se encontravam dentro de uma balsa salva-vidas, num contexto particularmente adverso de condições de mar e já no arco noturno, utilizando uma mota de água atribuída ao comando local da Polícia Marítima", sustenta.

Frisa ainda que o polícia marítimo, que presta serviço no comando de Aveiro, estava de licença na sua residência, na povoação de Costa de Lavos, a alguns quilómetros a sul do local do naufrágio do arrastão Olívia Ribau, e que, ao tomar conhecimento deste pelo comando da PM da Figueira da Foz, "disponibilizou-se de imediato para ajudar", tendo-se deslocado "até à extremidade do molhe exterior Sul para localizar a embarcação, avaliar a situação e verificar o estado do mar".

Adianta que Carlos Santos teve "consciência da gravidade da situação, com a existência de uma balsa salva-vidas na água, entre molhes, e com o arrastão já afundado junto à extremidade do molhe sul" e "arrogou-se de que se reuniam condições mínimas para resgatar eventuais náufragos".

Nesse sentido, escreve o almirante Luís Fragoso, no louvor que sustenta o despacho de concessão da medalha de coragem, abnegação e humanidade, grau ouro, hoje concedida a Carlos Santos, o agente da PM pediu para ser transportado para a marina da Figueira da Foz, na margem oposta àquela em que se encontrava, local de estacionamento da moto de água da Polícia Marítima, "a fim de a utilizar na ação de salvamento idealizada".

"Com sentido de urgência deslocou-se para a barra para proceder à busca e recolha dos eventuais náufragos que se poderiam encontrar no interior da balsa salva-vidas ou na água", refere o documento, que classifica como "extremamente difícil e arriscada" a operação de salvamento, o que levou a "várias tentativas de aproximação à balsa salva vidas".

O relato da operação assinala ainda que Carlos Santos sentiu "dificuldades" no avistamento da balsa "face à forte e alterosa ondulação no local do acidente", agravadas pela reduzida visibilidade," por ser já de noite", cerca de uma hora após o naufrágio que ocorreu pelas 19:10.

"Repetidas vezes foi forçado a regressar ao abrigo de entre os molhes da barra face à violência do mar, referindo que naquelas condições não havia qualquer segurança para a operação com embarcações", assinala o almirante Luís Fragoso, alegação que a Marinha repetiu, várias vezes, no dias após o naufrágio, face às críticas sobre a operação de salvamento que levaram, inclusivamente, à abertura do um inquérito por parte do Ministério Público.

"De forma obstinada e abnegada, a atuar no limite do risco pessoal, o Agente PM Silva Santos conseguiu alcançar a balsa salva vidas e recolher dois tripulantes, ainda com vida, tendo-os encaminhado na mota de água para terra, sãos e salvos", considera, concluindo ser de "inteira justiça" o louvor público a Carlos Santos "pela ação corajosa, abnegada e cheia de espírito de humanidade, como realizou o salvamento dos náufragos da embarcação Olívia Ribau".

Hoje, questionado pelos jornalistas sobre as conclusões do inquérito interno da Autoridade Marítima sobre a operação de salvamento, o Chefe de Estado-Maior da Armada disse que este "confirma genericamente o que foi na altura falado", mas recusou mais considerações, dado estar a decorrer uma averiguação a cargo do Departamento de Investigação e Ação Penal de Coimbra.

Lusa

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.