sicnot

Perfil

País

Única fábrica de velas na Madeira serve crentes e esotéricos

"A Velas Alves, Noronha Lda" é a única fábrica de velas a laborar no arquipélago da Madeira, produzindo cerca de 20 toneladas por ano e servindo públicos dos mais diversos, desde o religioso até ao esotérico.

HOMEM DE GOUVEIA/ LUSA

HOMEM DE GOUVEIA/ LUSA

Apesar de se ter verificado um aumento do consumo de velas a partir de 2010 Em tempos, esta é a única fábrica de velas que se mantém daquela Região Autónoma, depois de uma outra, em Santana, ter fechado.

Com mais de 50 anos de existência, a fábrica passou a ter mais encomendas a partir de 2010, facto que o sócio Rui Noronha relaciona com o temporal de 20 de fevereiro de 2010, que causou mais de 40 mortos, e com a crise económica e financeira que se seguiu.

"Aumentou a devoção das pessoas e sempre as faz acender uma velinha para lhes ajudar às suas promessas", sustenta.

"Ela [a fábrica] já existe há muitos anos, mas, só a partir de 1999, é que passou a ter a designação comercial de "A Velas Alves, Noronha Lda", afiançou à agência Lusa Rui Noronha, um dos dois sócios da mesma, onde ainda trabalha mais uma pessoa.

Localizada na Estrada dos Moinhos, no concelho de Santa Cruz, a fábrica está instalada numa cave que sustenta o rés-do-chão da habitação onde vivem os seus proprietários.

Produz para as paróquias da Região, para as lojas dos 300 e para as ervanárias onde os esotéricos, vulgarmente conhecidos por bruxos, feiticeiros e videntes, se abastecem.

Das cerca de 20 toneladas de velas produzidas anualmente, nove são para as paróquias e 12 para as ervanárias.

Rui Noronha revela que a maior procura situa-se entre maio e outubro, por ocasião das festas religiosas nos vários concelhos, sendo que Machico é a paróquia que mais velas compra (cerca de 3,5 toneladas) sobretudo para a festa de Nossa Senhora dos Milagres (09 de outubro).

A fábrica também produz velas decorativas para casamentos e para o Natal, presépios, mas a grande procura serve para as denominadas promessas de corpo - mãos, pernas, cabeças, corações, rins entre outros órgãos - e pénis e vaginas para as ervanárias.

"Quase toda a importação de parafina - cerca de 1,2 toneladas por mês - é dirigida para o fabrico de velas para as ervanárias", referiu Rui Noronha.

Velão de sete e três potências (sete ou três cores, respetivamente) ao São José do Trabalho, contra a inveja, o abre caminhos, o da fortuna, num conjunto com mais de 60 finalidades, figuram entre os que são destinados às ervanárias.

"Aqui [na fábrica], faz-se de tudo porque as despesas são enormes", justificou o sócio, explicando que o seu trabalho é produzir as velas.

"A mim só me compete fabricar, a partir daí eles lá sabem o que fazem", argumentou.

Questionado sobre se o seu trabalho serve a Deus e ao Diabo, Rui Noronha, ri-se e declara: "não faço para o Diabo, faço para a parte esotérica - as pessoas é que podem invocar o Diabo - e, nesse sentido, sim, já que faço para um lado e para o outro. Ficam todos servidos e eu fico no meio".

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59