sicnot

Perfil

País

Única fábrica de velas na Madeira serve crentes e esotéricos

"A Velas Alves, Noronha Lda" é a única fábrica de velas a laborar no arquipélago da Madeira, produzindo cerca de 20 toneladas por ano e servindo públicos dos mais diversos, desde o religioso até ao esotérico.

HOMEM DE GOUVEIA/ LUSA

HOMEM DE GOUVEIA/ LUSA

Apesar de se ter verificado um aumento do consumo de velas a partir de 2010 Em tempos, esta é a única fábrica de velas que se mantém daquela Região Autónoma, depois de uma outra, em Santana, ter fechado.

Com mais de 50 anos de existência, a fábrica passou a ter mais encomendas a partir de 2010, facto que o sócio Rui Noronha relaciona com o temporal de 20 de fevereiro de 2010, que causou mais de 40 mortos, e com a crise económica e financeira que se seguiu.

"Aumentou a devoção das pessoas e sempre as faz acender uma velinha para lhes ajudar às suas promessas", sustenta.

"Ela [a fábrica] já existe há muitos anos, mas, só a partir de 1999, é que passou a ter a designação comercial de "A Velas Alves, Noronha Lda", afiançou à agência Lusa Rui Noronha, um dos dois sócios da mesma, onde ainda trabalha mais uma pessoa.

Localizada na Estrada dos Moinhos, no concelho de Santa Cruz, a fábrica está instalada numa cave que sustenta o rés-do-chão da habitação onde vivem os seus proprietários.

Produz para as paróquias da Região, para as lojas dos 300 e para as ervanárias onde os esotéricos, vulgarmente conhecidos por bruxos, feiticeiros e videntes, se abastecem.

Das cerca de 20 toneladas de velas produzidas anualmente, nove são para as paróquias e 12 para as ervanárias.

Rui Noronha revela que a maior procura situa-se entre maio e outubro, por ocasião das festas religiosas nos vários concelhos, sendo que Machico é a paróquia que mais velas compra (cerca de 3,5 toneladas) sobretudo para a festa de Nossa Senhora dos Milagres (09 de outubro).

A fábrica também produz velas decorativas para casamentos e para o Natal, presépios, mas a grande procura serve para as denominadas promessas de corpo - mãos, pernas, cabeças, corações, rins entre outros órgãos - e pénis e vaginas para as ervanárias.

"Quase toda a importação de parafina - cerca de 1,2 toneladas por mês - é dirigida para o fabrico de velas para as ervanárias", referiu Rui Noronha.

Velão de sete e três potências (sete ou três cores, respetivamente) ao São José do Trabalho, contra a inveja, o abre caminhos, o da fortuna, num conjunto com mais de 60 finalidades, figuram entre os que são destinados às ervanárias.

"Aqui [na fábrica], faz-se de tudo porque as despesas são enormes", justificou o sócio, explicando que o seu trabalho é produzir as velas.

"A mim só me compete fabricar, a partir daí eles lá sabem o que fazem", argumentou.

Questionado sobre se o seu trabalho serve a Deus e ao Diabo, Rui Noronha, ri-se e declara: "não faço para o Diabo, faço para a parte esotérica - as pessoas é que podem invocar o Diabo - e, nesse sentido, sim, já que faço para um lado e para o outro. Ficam todos servidos e eu fico no meio".

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.