sicnot

Perfil

País

Única fábrica de velas na Madeira serve crentes e esotéricos

"A Velas Alves, Noronha Lda" é a única fábrica de velas a laborar no arquipélago da Madeira, produzindo cerca de 20 toneladas por ano e servindo públicos dos mais diversos, desde o religioso até ao esotérico.

HOMEM DE GOUVEIA/ LUSA

HOMEM DE GOUVEIA/ LUSA

Apesar de se ter verificado um aumento do consumo de velas a partir de 2010 Em tempos, esta é a única fábrica de velas que se mantém daquela Região Autónoma, depois de uma outra, em Santana, ter fechado.

Com mais de 50 anos de existência, a fábrica passou a ter mais encomendas a partir de 2010, facto que o sócio Rui Noronha relaciona com o temporal de 20 de fevereiro de 2010, que causou mais de 40 mortos, e com a crise económica e financeira que se seguiu.

"Aumentou a devoção das pessoas e sempre as faz acender uma velinha para lhes ajudar às suas promessas", sustenta.

"Ela [a fábrica] já existe há muitos anos, mas, só a partir de 1999, é que passou a ter a designação comercial de "A Velas Alves, Noronha Lda", afiançou à agência Lusa Rui Noronha, um dos dois sócios da mesma, onde ainda trabalha mais uma pessoa.

Localizada na Estrada dos Moinhos, no concelho de Santa Cruz, a fábrica está instalada numa cave que sustenta o rés-do-chão da habitação onde vivem os seus proprietários.

Produz para as paróquias da Região, para as lojas dos 300 e para as ervanárias onde os esotéricos, vulgarmente conhecidos por bruxos, feiticeiros e videntes, se abastecem.

Das cerca de 20 toneladas de velas produzidas anualmente, nove são para as paróquias e 12 para as ervanárias.

Rui Noronha revela que a maior procura situa-se entre maio e outubro, por ocasião das festas religiosas nos vários concelhos, sendo que Machico é a paróquia que mais velas compra (cerca de 3,5 toneladas) sobretudo para a festa de Nossa Senhora dos Milagres (09 de outubro).

A fábrica também produz velas decorativas para casamentos e para o Natal, presépios, mas a grande procura serve para as denominadas promessas de corpo - mãos, pernas, cabeças, corações, rins entre outros órgãos - e pénis e vaginas para as ervanárias.

"Quase toda a importação de parafina - cerca de 1,2 toneladas por mês - é dirigida para o fabrico de velas para as ervanárias", referiu Rui Noronha.

Velão de sete e três potências (sete ou três cores, respetivamente) ao São José do Trabalho, contra a inveja, o abre caminhos, o da fortuna, num conjunto com mais de 60 finalidades, figuram entre os que são destinados às ervanárias.

"Aqui [na fábrica], faz-se de tudo porque as despesas são enormes", justificou o sócio, explicando que o seu trabalho é produzir as velas.

"A mim só me compete fabricar, a partir daí eles lá sabem o que fazem", argumentou.

Questionado sobre se o seu trabalho serve a Deus e ao Diabo, Rui Noronha, ri-se e declara: "não faço para o Diabo, faço para a parte esotérica - as pessoas é que podem invocar o Diabo - e, nesse sentido, sim, já que faço para um lado e para o outro. Ficam todos servidos e eu fico no meio".

Lusa

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efetivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21
  • Antigos quadros da Facebook declaram-se preocupados com efeitos da rede social

    Mundo

    Alguns dos antigos quadros da empresa Facebook estão a começar a exprimir sérias dúvidas sobre a rede social que ajudaram a criar, foi noticiado. A Facebook explora "uma vulnerabilidade na psicologia humana" para criar dependência entre os seus utilizadores, afirmou o primeiro presidente da empresa, Sean Parker, num fórum público.