sicnot

Perfil

País

Chuva de outubro termina com situação de seca em quase todo o país

A chuva que caiu em outubro permitiu acabar com a seca meteorológica em quase todo o país, registando-se apenas uma situação de seca fraca no sul de Portugal, refere o boletim meteorológico mensal.

(Arquivo)

(Arquivo)

(arquivo)

Segundo o boletim publicado pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), em outubro apenas se mantinha em situação de seca meteorológica fraca 8 por cento do território nacional.

No documento, o IPMA refere que outubro se caracterizou por ser um mês chuvoso e quente, com as condições meteorológicas predominantes a serem de "céu muito nublado e de precipitação".

"O valor médio da temperatura média do ar, 17,06º C, foi superior ao valor normal com uma anomalia de +0,85º C", salienta o documento.

O IPMA sublinha também que a temperatura mínima registada em outubro, com um valor médio mensal de 12,54º C, foi o "6.º valor mais alto desde 2000 e o 15.º mais alto desde 1931".

No boletim, o IPMA refere que devido a uma depressão, registada a 17 de outubro, o "vento atingiu valores excecionalmente elevados de vento médio, entre 70 e 90 quilómetros/hora, e rajadas superiores a 140 quilómetros/hora", destacando a rajada de 169 quilómetro/hora registada no Cabo da Roca, no distrito de Lisboa.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.