sicnot

Perfil

País

Consumo de antibióticos a descer desde 2010

O consumo de antibióticos tem vindo a baixar desde 2010, mas ainda assim foram vendidos mais de sete milhões de embalagens destes medicamentos nos primeiros dez meses deste ano, segundo dados da consultora IMS Health.


Segundo dados fornecidos à Lusa por esta consultora, a propósito do Dia Europeu dos Antibióticos, que se assinala na quarta-feira, a venda de antibióticos nas farmácias baixou de 9.357.411 embalagens vendidas em 2010 para 8.085.314 embalagens em 2014.

Em 2011 venderam-se 9.027.784 embalagens, 8.683.232 em 2012 e 8.539.400 em 2013.

Entre janeiro e outubro deste ano, foram vendidas 7.138.113 embalagens.

Em termos de valores, em 2010 venderam-se antibióticos no montante de 70.947.104 euros, de 61.489.588 euros em 2011, de 50.387.993 euros em 2012, de 45.057.852 euros em 2013 e de 42.547.917 euros em 2014.

Nos primeiros dez meses deste ano, foram vendidos antibióticos no valor de 36.959.445 euros.

De acordo com o relatório Portugal - Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em Números 2014, apresentado há um ano, Portugal ocupa o 9.º lugar na tabela de 30 países europeus com maior consumo de antibióticos, mas registou nos últimos dois anos uma redução a nível do consumo hospitalar destes fármacos.

O documento refere que "Portugal apresenta das mais elevadas taxas de resistência antimicrobiana" em relação a algumas bactérias, mas aponta para uma descida do consumo de fármacos, sobretudo em meio hospitalar.

A maioria das crianças portuguesas tomou antibióticos no primeiro ano de vida, segundo a Sociedade Portuguesa de Alergologia Pediátrica (SPAP).

Para o pediatra e presidente da SPAP, Libério Ribeiro, "é extremamente preocupante perceber que mais de metade das crianças com menos de um ano já tomou antibióticos para tratar essas infeções, muitas das vezes sem necessidade, uma vez que não existe benefício terapêutico de tais medicamentos para as infeções virais, como nos casos de gripes e constipações, muito comuns nesta época do ano".

"As doenças que são causadas por vírus provocam um sofrimento considerável nas crianças, que devido ao seu sistema imunitário não estar completamente desenvolvido, muitas vezes sofrem oito a doze infeções por ano", adiantou.

De acordo com este especialista, o tratamento destas infeções não deverá passar pelos antibióticos como primeira opção.

"Vários estudos sobre as tendências de prescrição têm mostrado que os antibióticos são prescritos para a maioria das infeções das vias aéreas, mesmo sendo inexistente o benefício terapêutico destes medicamentos para as infeções virais", disse.

Na segunda-feira tem início a Semana Mundial do Antibiótico, dia em que decorrem também as primeiras Jornadas do Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos.

Lusa

  • Detido dono do cão que feriu criança com gravidade

    País

    O dono do cão de raça Rottweiler que esta terça-feira feriu com gravidade uma criança de quatro anos em Matosinhos foi detido pela PSP e o animal já foi recolhido no canil municipal, informou fonte oficial da autarquia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.