sicnot

Perfil

País

Cavaco recebido com manifestação à porta do parlamento da Madeira

O Presidente da República, Cavaco Silva, foi hoje recebido com palavras e ordem, apupos e insultos por cerca de cinco dezenas de manifestantes, no Funchal, junto à Assembleia Legislativa da Madeira, última etapa da visita de dois dias à região.

Presidente da República, Cavaco Silva, fala aos jornalistas no Aeroporto Internacional da Madeira.

Presidente da República, Cavaco Silva, fala aos jornalistas no Aeroporto Internacional da Madeira.

HOMEM DE GOUVEIA

"Cavaco, escuta, o povo está na luta" gritaram os manifestantes, entre assobios e palavrões, assim que o chefe de Estado chegou ao edifício, à volta do qual fora montada grande uma barreira policial, que mobilizou dezenas de agentes.

O Presidente da República, que se deslocou ao parlamento madeirense para uma receção oficial, entrou, no entanto, pelo lado oposto àquele onde se encontravam os manifestantes, convocados pela União dos Sindicatos da Madeira (USAM), entre os quais estavam alguns dirigentes regionais da CDU e do BE.

"Entrou pela outra porta. Parece que continua a ter medo e aversão aos trabalhadores", disse ao microfone Pedro Carvalho, um dos líderes da USAM.

O dirigente sindical acusou o Presidente da República de ser "mandatário dos interesses do grande capital e da 'troika' estrangeira", bem como de "fazer passar leis contra os direitos dos trabalhadores e do povo".

Pedro Carvalho disse, ainda, que a atuação de Cavaco Silva constitui "um exemplo assumido de confronto com a Constituição da República Portuguesa".

O sindicalista realçou, por outro lado, algumas das reivindicações da USAM, entre as quais constam propostas já assumidas pelo Partido Socialista, no caso de vir a formar governo com o apoio da CDU e do BE, tais como aumento da salário mínimo para 600 euros, fim dos cortes salariais, aumento anual das reformas e pensões e melhoria das prestações sociais.

O Presidente da República visitou a Região Autónoma da Madeira no âmbito da 7.ª jornada do Roteiro para a Economia Dinâmica.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.