sicnot

Perfil

País

Prejuízos participados a seguradoras após cheias em Albufeira ascendem os 14 milhões

A Associação Portuguesa de Seguradores (APS) comunicou hoje que os danos cobertos por apólices já acionadas na sequência das inundações que ocorreram em Albufeira, a 01 de novembro, ultrapassam os 14 milhões de euros.

(arquivo)

(arquivo)

LU\303\215S FORRA

Na passada semana a APS tinha anunciado que as participações que havia recebido durante a primeira semana após as cheias rondavam os 10 milhões de euros de valores cobertos.

Em comunicado, a associação sublinha que "estes números deverão continuar a subavaliar a dimensão deste evento, não só por decorrerem ainda os trabalhos de peritagem e apuramento de danos, mas também porque se suspeita que alguns proprietários afetados pelo temporal não terão apresentado ainda as correspondentes participações às suas seguradoras".

No espaço de uma semana, o número de processos abertos sobre danos em habitações passaram de 500 para mais de 800 e o valor estimado de indemnizações, que rondava os 2,4 milhões de euros, passou para os 4,8 milhões de euros.

Os 310 sinistros em estabelecimentos comerciais e industriais reportados até ao momento às seguradoras apontam para danos superiores a 8,5 milhões de euros.

No caso de danos em viaturas automóveis, foram abertos 10 novos processos na última semana e a APS refere que os danos provocados em 160 viaturas cobertas por apólices apropriadas ultrapassam os 510 mil euros.

A associação sublinha que os danos reportados e protegidos por apólices de seguradoras não dão a perspetiva total dos danos verificados pelo temporal, uma vez que existem prejuízos em imóveis e em veículos que não tinham cobertura para o risco de inundação.

A 01 de novembro, vários concelhos algarvios foram afetados por chuva intensa e prolongada, tendo colocado a Proteção Civil em ação para fazer face a várias ocorrências.

A cidade de Albufeira foi a mais afetada, particularmente a zona mais litoral e turística.

Lusa

  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03

    Mundo

    António Costa defendeu uma diplomacia pela paz. O primeiro-ministro português saiu em defesa da língua portuguesa e da presença do Brasil e da Índia no Conselho de Segurança das Nações Unidas. No discurso na Assembleia Geral da ONU, Costa salientou também o compromisso do país em relação ao multilateralismo e às questões ambientais.

  • Em Fátima só há escolas públicas no pré-escolar e 1.º ciclo
    2:48
  • "Só tive tempo de avisar o meu sogro e o meu marido e disse: corram!"
    2:17
  • Furacão Maria volta a ganhar força

    Mundo

    Apesar de ter perdido intensidade, após a passagem por Porto Rico, onde deixou um rasto de destruição, Maria voltou a ganhar força, é agora um furacão de categoria 3. Está a afetar a zona norte de Punta Cana, na República Dominicana com ventos que atingem os 90 km/há e move-se para o noroeste.

  • Drone inglês evita execução do Daesh na Síria
    2:08

    Mundo

    A Força Aérea britânica divulgou esta terça-feira um vídeo que mostra um drone a parar uma execução pública que estaria prestes a acontecer às mãos do Daesh, na Síria. As imagens, apesar de cortadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, mostram várias pessoas na rua, uma explosão e, depois, a fuga.

  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15
  • "Não toleramos ameaças de ninguém"
    2:13
  • Número de tartarugas marinhas está a aumentar

    Mundo

    O número de tartarugas marinhas está a crescer, levando investigadores a considerar que os esforços para salvar estes animais são uma "história de sucesso da conservação global", indica um estudo divulgado esta quarta-feira.

  • Tubarões vivem mais tempo do que se pensava

    Mundo

    Uma revisão de dados sobre avaliação da idade dos tubarões revela que muitas espécies têm maior longevidade do que se pensava, o que poderá obrigar a uma revisão dos planos de conservação das mais ameaçadas.

  • Como mudar um templo com 135 anos e 2 mil toneladas... de lugar

    Mundo

    Um templo budista do século XIX é um dos mais populares em Xangai, na China. Visitado diariamente por milhares de pessoas, precisava de ser relocalizado para evitar que uma tragédia acontecesse. E mesmo pesando cerca de duas mil toneladas, a missão acabou por se provar possível.