sicnot

Perfil

País

Prejuízos participados a seguradoras após cheias em Albufeira ascendem os 14 milhões

A Associação Portuguesa de Seguradores (APS) comunicou hoje que os danos cobertos por apólices já acionadas na sequência das inundações que ocorreram em Albufeira, a 01 de novembro, ultrapassam os 14 milhões de euros.

(arquivo)

(arquivo)

LU\303\215S FORRA

Na passada semana a APS tinha anunciado que as participações que havia recebido durante a primeira semana após as cheias rondavam os 10 milhões de euros de valores cobertos.

Em comunicado, a associação sublinha que "estes números deverão continuar a subavaliar a dimensão deste evento, não só por decorrerem ainda os trabalhos de peritagem e apuramento de danos, mas também porque se suspeita que alguns proprietários afetados pelo temporal não terão apresentado ainda as correspondentes participações às suas seguradoras".

No espaço de uma semana, o número de processos abertos sobre danos em habitações passaram de 500 para mais de 800 e o valor estimado de indemnizações, que rondava os 2,4 milhões de euros, passou para os 4,8 milhões de euros.

Os 310 sinistros em estabelecimentos comerciais e industriais reportados até ao momento às seguradoras apontam para danos superiores a 8,5 milhões de euros.

No caso de danos em viaturas automóveis, foram abertos 10 novos processos na última semana e a APS refere que os danos provocados em 160 viaturas cobertas por apólices apropriadas ultrapassam os 510 mil euros.

A associação sublinha que os danos reportados e protegidos por apólices de seguradoras não dão a perspetiva total dos danos verificados pelo temporal, uma vez que existem prejuízos em imóveis e em veículos que não tinham cobertura para o risco de inundação.

A 01 de novembro, vários concelhos algarvios foram afetados por chuva intensa e prolongada, tendo colocado a Proteção Civil em ação para fazer face a várias ocorrências.

A cidade de Albufeira foi a mais afetada, particularmente a zona mais litoral e turística.

Lusa

  • Costa preparado para falar da renegociação da dívida no plano europeu
    2:24

    País

    O primeiro-ministro não quer quebrar com as regras impostas pela UE e não vai dar o primeiro passo na renegociação da dívida, mas estará na linha da frente quando Bruxelas ceder. Em entrevista à RTP, António Costa garante que o Governo cumpriu tudo aquilo que acordou com o presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.