sicnot

Perfil

País

Escolas de condução defendem videovigilância na salas de exames

​O presidente da Associação Portuguesa de Escolas de Condução (APEC), Alcino Cruz, defendeu hoje a implementação de um sistema de videovigilância em todas as salas de exames de código do país, para ajudar no combate à corrupção.

(SIC/ Arquivo)

(SIC/ Arquivo)

Em declarações à agência Lusa, a propósito da detenção na terça-feira de 14 pessoas, oito examinadores e seis proprietários e funcionários de escolas de condução, por suspeitas de corrupção passiva e ativa e falsificação de documentos, Alcino Cruz disse "não ter ficado surpreendido com o resultado da operação" levada a cabo pela Polícia Judiciária (PJ).

"Não me surpreendeu em nada. A corrupção nos exames de código não é nova. Já alertámos o IMT [Instituto da Mobilidade e dos Transportes] várias vezes e até agora nada foi feito. Nós defendemos que deveria haver em todas as salas de exames de código uma vigilância gravada e a interdição de telemóveis", salientou.

Alcino Cruz adiantou que a APEC já conta com equipamentos de videovigilância e que é proibido o uso de aparelhos eletrónicos nas suas salas de exames.

"Tivemos aqui várias pessoas que apresentaram equipamentos sofisticados ilegais e que conseguimos detetar porque temos todas as sessões gravadas em videovigilância. Não é permitida também a utilização de telemóveis. Mesmo que os levem para a sala de exames, não conseguem ter sinal", disse.

Na opinião de Alcino Cruz, sem a implementação da videovigilância "não é possível eliminar a corrupção nos exames de código".

"Nos exames de condução é mais difícil de elimnar a corrupção, mas nos de código é possível", salientou o mesmo responsável.

O presidente da APEC adiantou que a associação tem vindo a alertar para a situação desde 2000, sendo que em setembro passado voltou a falar sobre o assunto com o IMT.

"Defendemos também junto do IMT que as provas deveriam ser localizadas no centro de exames e que a legislação deveria ser mais dura para quem viola as regras", concluiu.

A PJ informou na terça-feira que na operação "Megahertz" foram detidos doze homens e duas mulheres ligados a fraudes com cartas de condução, tendo sido realizadas oitenta buscas domiciliárias e não domiciliárias.

De acordo com a SIC, oito dos detidos são do centro de exames do Automóvel Clube de Portugal (ACP), no Porto.

Segundo a PJ, o modo de atuação dos alegados suspeitos da prática dos crimes consistia em fazer aprovar os candidatos em exames teóricos (Código), com recurso à utilização de diversos equipamentos tecnológicos para registo de imagem e comunicação rádio com o objetivo de obtenção das respostas corretas, mediante contrapartidas de quantias monetárias.

Lusa

  • Detidos 8 examinadores e 6 proprietários e funcionários de escolas de condução
    2:01

    País

    Catorze pessoas foram detidas esta manhã, oito examinadores e seis proprietários e funcionários de escolas de condução, numa grande operação da Polícia Judiciária (PJ) no norte do país. Realizaram-se no total 70 buscas que envolveram 150 inspetores da PJ numa operação de grande envergadura que visou uma megafraude na obtenção de cartas de condução.

  • Examinadores do ACP do Porto detidos em fraude com cartas de condução
    3:22

    País

    Catorze pessoas foram detidas, esta manhã, numa grande operação da Polícia Judiciária (PJ) no norte do país. Estão a decorrer mais de 70 buscas e há 150 inspetores envolvidos. Os detidos são na maior parte examinadores do centro de exames do Automóvel Clube de Portugal (ACP), no Porto. São oito examinadores e seis responsáveis e funcionários de escolas de condução. O Ministério Público e a polícia suspeitam de que fazem parte de uma rede que, a troco de muito dinheiro, facilitava a aprovação de exames de código. A repórter Catarina Folhadela dá conta de mais pormenores sobre este caso de fraude nas cartas de condução.

  • Megafraude nas cartas de condução, 14 detidos

    País

    É uma gigantesca fraude na obtenção de cartas de condução: catorze pessoas foram detidas esta manhã numa grande operação da Polícia Judiciária no norte do país. Estão a decorrer mais de 70 buscas e há 150 inspetores envolvidos.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.