sicnot

Perfil

País

Estivadores prolongam greve até 11 de dezembro

O Sindicato dos Estivadores decidiu estender a greve que teve início no dia 14 de novembro e deveria terminar a 04 de dezembro, até 11 de dezembro, com diferentes incidências nos portos de Lisboa, Figueira da Foz e Setúbal.

(arquivo)

(arquivo)

REUTERS

Segundo o pré-aviso de greve hoje divulgado pelo Sindicato dos Estivadores, Trabalhadores do Tráfego e Conferentes Marítimos do Centro e Sul de Portugal, a paralisação prolonga-se das 08:00 do dia 04 de dezembro até às 08:00 do dia 11 do mesmo mês.

O sindicato explicita no pré-aviso de greve quais as situações específicas em que os trabalhadores se deverão abster da prestação de trabalho, incluindo operações para as quais sejam chamados "trabalhadores estranhos à profissão".

O protesto incide sobretudo no porto de Lisboa, restringindo-se nos portos de Setúbal e Figueira da Foz aos navios que tenham sido desviados da capital.

Os estivadores estão contra a imposição de intervenções que "não são de índole profissional" aos trabalhadores do porto de Lisboa, utilização de mão-de-obra desnecessária com "o intuito de aniquilar os atuais profissionais", contratação de meios operacionais e mão-de-obra fora do setor e a interrupção das negociações para um novo contrato coletivo de trabalho.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.