sicnot

Perfil

País

Eduardo Catroga diz que sucesso de Centeno depende do forte apoio de Costa

O ex-governante Eduardo Catroga considerou hoje que o sucesso de Mário Centeno na liderança do Ministério das Finanças depende do "apoio determinado" do próximo primeiro-ministro, António Costa, que não pode ceder a "tentações" de partidos mais à esquerda.

(arquivo)

(arquivo)

LUSA

"Mário Centeno é um académico de alto gabarito e tem todas as condições de formação técnica para ser um bom ministro das Finanças. Mas ninguém consegue ser um bom ministro das Finanças sem o apoio determinado do primeiro-ministro no alcance dos objetivos", afirmou o economista.

E realçou: "Mário Centeno conseguirá ser um bom ministro das Finanças, na minha análise, se conseguir ter o apoio determinado, sem tentações à esquerda, de António Costa".

Catroga prestou estas declarações aos jornalistas à margem do Fórum "Novos caminhos para o crescimento", organizado pela Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF), num hotel em Lisboa.

Questionado sobre o modo como observa a atualidade política do país, Catroga assegurou que olha "com normalidade" para os últimos acontecimentos.

Ainda assim, considerou que houve uma quebra na tradição política com a união entre os grupos parlamentares de esquerda que derrubou o Governo de Passos Coelho.

"Eu costumo dizer aos meus amigos socialistas que o atual momento político, pós-eleições, levou à quebra de alguma tradição na democracia portuguesa. É aquilo que eu chamo de direito constitucional consuetudinário [que assenta nos costumes]", lançou.

E insistiu que "até aqui, quem formava governo era o partido mais votado. Portanto, a tradição foi quebrada", acrescentando que "até aqui, quem indicava o presidente da Assembleia da República era o partido mais votado", algo que também não aconteceu.

"O que eu digo, fazendo a análise da política económica no horizonte longo, para já não ir aos tempos de Mário Soares e outros, mas desde os tempos de Guterres que a política económica do Partido Socialista, tal como no tempo do Sócrates, foi errada, contribuindo e muito para a criação de desequilíbrios na economia portuguesa e para o fraco crescimento económico potencial", afirmou.

"Agora, espero sinceramente - a bem do país - que o novo Governo minoritário do Partido Socialista, com o apoio dos partidos mais à esquerda do espectro político, consiga desenvolver uma política económica e financeira que continue o caminho do Governo nos últimos anos, no sentido de consolidar o processo de recuperação das finanças públicas, o processo de recuperação do desequilíbrio externo, o processo de recuperação do crescimento económico", assinalou.

E concluiu: "No fundo, o programa [de Governo] do Partido Socialista tem esses objetivos e eu espero que consigam concretizá-los e que quebrem a tradição do Partido Socialista normalmente ter políticas económicas e financeiras de pouco rigor".

Lusa

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55
  • BCE autoriza CGD a avançar com recapitalização

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos informou esta sexta-feira que vai prosseguir com as operações da primeira fase do aumento de capital, depois de ter obtido autorização para isso junto do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco de Portugal.

  • Condutores apanhados a mais de 200 em corridas ilegais na Ponte Vasco da Gama
    1:25
  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Reino Unido em alerta máximo de terrorismo

    Mundo

    O Reino Unido elevou o alerta de terrorismo para o nível máximo depois das declarações, esta quinta-feira, do chefe das secretas britânicas. O diretor do MI6 está preocupado com eventuais ataques contra o Reino Unido e outros aliados.

  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10
  • O anúncio de natal que está a emocionar o mundo
    1:47