sicnot

Perfil

País

Eduardo Catroga diz que sucesso de Centeno depende do forte apoio de Costa

O ex-governante Eduardo Catroga considerou hoje que o sucesso de Mário Centeno na liderança do Ministério das Finanças depende do "apoio determinado" do próximo primeiro-ministro, António Costa, que não pode ceder a "tentações" de partidos mais à esquerda.

(arquivo)

(arquivo)

LUSA

"Mário Centeno é um académico de alto gabarito e tem todas as condições de formação técnica para ser um bom ministro das Finanças. Mas ninguém consegue ser um bom ministro das Finanças sem o apoio determinado do primeiro-ministro no alcance dos objetivos", afirmou o economista.

E realçou: "Mário Centeno conseguirá ser um bom ministro das Finanças, na minha análise, se conseguir ter o apoio determinado, sem tentações à esquerda, de António Costa".

Catroga prestou estas declarações aos jornalistas à margem do Fórum "Novos caminhos para o crescimento", organizado pela Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF), num hotel em Lisboa.

Questionado sobre o modo como observa a atualidade política do país, Catroga assegurou que olha "com normalidade" para os últimos acontecimentos.

Ainda assim, considerou que houve uma quebra na tradição política com a união entre os grupos parlamentares de esquerda que derrubou o Governo de Passos Coelho.

"Eu costumo dizer aos meus amigos socialistas que o atual momento político, pós-eleições, levou à quebra de alguma tradição na democracia portuguesa. É aquilo que eu chamo de direito constitucional consuetudinário [que assenta nos costumes]", lançou.

E insistiu que "até aqui, quem formava governo era o partido mais votado. Portanto, a tradição foi quebrada", acrescentando que "até aqui, quem indicava o presidente da Assembleia da República era o partido mais votado", algo que também não aconteceu.

"O que eu digo, fazendo a análise da política económica no horizonte longo, para já não ir aos tempos de Mário Soares e outros, mas desde os tempos de Guterres que a política económica do Partido Socialista, tal como no tempo do Sócrates, foi errada, contribuindo e muito para a criação de desequilíbrios na economia portuguesa e para o fraco crescimento económico potencial", afirmou.

"Agora, espero sinceramente - a bem do país - que o novo Governo minoritário do Partido Socialista, com o apoio dos partidos mais à esquerda do espectro político, consiga desenvolver uma política económica e financeira que continue o caminho do Governo nos últimos anos, no sentido de consolidar o processo de recuperação das finanças públicas, o processo de recuperação do desequilíbrio externo, o processo de recuperação do crescimento económico", assinalou.

E concluiu: "No fundo, o programa [de Governo] do Partido Socialista tem esses objetivos e eu espero que consigam concretizá-los e que quebrem a tradição do Partido Socialista normalmente ter políticas económicas e financeiras de pouco rigor".

Lusa

  • Os apelos de Marcelo para a reforma do Estado
    1:36

    País

    O Presidente da República lamentou este sábado que o consenso para uma reforma do Estado seja um sonho adiado. No enceramento do congresso "Portugal no Futuro", Marcelo Rebelo de Sousa apelou a entendimentos em áreas estratégicas e defendeu que é preciso passar as palavras à ação, o quanto antes.

    Débora Henriques

  • Tragédia de Vila Nova da Rainha foi há uma semana
    7:18
  • Escutas da Operação Marquês "não podem servir de prova"
    1:36

    Operação Marquês

    As defesas de José Sócrates e de Ricardo Salgado queixam-se que as escutas do processo Marquês estão infetadas por um vírus informático. Os advogados dizem que tal como estão as escutas não podem servir de prova. No entanto, o Ministério Público diz que estão reunidas as condições para começar a contar o prazo para a abertura de instrução.

    Luís Garriapa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52