sicnot

Perfil

País

Eduardo Catroga diz que sucesso de Centeno depende do forte apoio de Costa

O ex-governante Eduardo Catroga considerou hoje que o sucesso de Mário Centeno na liderança do Ministério das Finanças depende do "apoio determinado" do próximo primeiro-ministro, António Costa, que não pode ceder a "tentações" de partidos mais à esquerda.

(arquivo)

(arquivo)

LUSA

"Mário Centeno é um académico de alto gabarito e tem todas as condições de formação técnica para ser um bom ministro das Finanças. Mas ninguém consegue ser um bom ministro das Finanças sem o apoio determinado do primeiro-ministro no alcance dos objetivos", afirmou o economista.

E realçou: "Mário Centeno conseguirá ser um bom ministro das Finanças, na minha análise, se conseguir ter o apoio determinado, sem tentações à esquerda, de António Costa".

Catroga prestou estas declarações aos jornalistas à margem do Fórum "Novos caminhos para o crescimento", organizado pela Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF), num hotel em Lisboa.

Questionado sobre o modo como observa a atualidade política do país, Catroga assegurou que olha "com normalidade" para os últimos acontecimentos.

Ainda assim, considerou que houve uma quebra na tradição política com a união entre os grupos parlamentares de esquerda que derrubou o Governo de Passos Coelho.

"Eu costumo dizer aos meus amigos socialistas que o atual momento político, pós-eleições, levou à quebra de alguma tradição na democracia portuguesa. É aquilo que eu chamo de direito constitucional consuetudinário [que assenta nos costumes]", lançou.

E insistiu que "até aqui, quem formava governo era o partido mais votado. Portanto, a tradição foi quebrada", acrescentando que "até aqui, quem indicava o presidente da Assembleia da República era o partido mais votado", algo que também não aconteceu.

"O que eu digo, fazendo a análise da política económica no horizonte longo, para já não ir aos tempos de Mário Soares e outros, mas desde os tempos de Guterres que a política económica do Partido Socialista, tal como no tempo do Sócrates, foi errada, contribuindo e muito para a criação de desequilíbrios na economia portuguesa e para o fraco crescimento económico potencial", afirmou.

"Agora, espero sinceramente - a bem do país - que o novo Governo minoritário do Partido Socialista, com o apoio dos partidos mais à esquerda do espectro político, consiga desenvolver uma política económica e financeira que continue o caminho do Governo nos últimos anos, no sentido de consolidar o processo de recuperação das finanças públicas, o processo de recuperação do desequilíbrio externo, o processo de recuperação do crescimento económico", assinalou.

E concluiu: "No fundo, o programa [de Governo] do Partido Socialista tem esses objetivos e eu espero que consigam concretizá-los e que quebrem a tradição do Partido Socialista normalmente ter políticas económicas e financeiras de pouco rigor".

Lusa

  • 950 militares cercam a Rocinha, no Rio de Janeiro
    2:36
  • Terra volta a termer no México

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6,2, na escala de Richter, foi registado às 05h30, hora local, 23h30, em Lisboa. Até ao momento não há registo de vítimas ou danos materiais.

  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04

    Mundo

    O Presidente francês volta hoje a ser alvo de manifestações contra a reforma laboral. Os protestos foram organizados por Jean Luc Melenchon, o candidato da extrema-esquerda que concorreu contra Macron.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.