sicnot

Perfil

País

Forbes adia edição portuguesa da revista para sábado e aumenta tiragem

A edição portuguesa da revista Forbes chega às bancas no sábado, em vez de na sexta-feira, com uma tiragem de 15.000 exemplares, disse hoje o diretor do título, Luís Leitão, à Lusa.

facebook.com/forbes/

facebook.com/forbes/

Anteriormente, a data de lançamento avançada pelo responsável tinha sido sexta-feira, com uma tiragem de 12.500 exemplares.

Agora, o primeiro número da Forbes Portugal, com preço de capa de cinco euros e 100 páginas, estará à venda a partir de sábado, dia 28 de novembro, com uma tiragem de 15.000 exemplares.

Na segunda-feira, o primeiro número da Forbes vai sair encartado no Diário Económico e no Jornal de Negócios, de acordo com o diretor.

Com uma equipa de 10 pessoas, a edição portuguesa pretende ser "uma referência" em Portugal.

A revista é editada pela Upstar Comunicações, da empresária angolana Isabel dos Santos, que tem o licenciamento da Forbes para vários países, incluindo Portugal e Angola.

"Temos licenciamento para vários países, vai haver partilha [de conteúdos] com Angola, além da Forbes Angola incluir" conteúdos da Forbes Portugal, tinha afirmado esta semana o diretor da publicação à Lusa.

A edição angolana da revista foi lançada a 17 de novembro, em Luanda.

Na altura, Isabel dos Santos disse que pretendia utilizar a revista Forbes para divulgar internacionalmente o momento atual das empresas e economias da lusofonia.

Lusa

  • Forbes publica a lista dos Youtubers que recebem mais dinheiro
    4:41

    Cultura

    A revista Forbes publica este mês a lista dos Youtubers que recebem mais dinheiro. A lista é encabeçada por um sueco que ganhou 11 milhões de euros. Em Portugal, ainda não haverá milionários com programas no Youtube, mas aquele que tem mais subscritores admite que vive dos vídeos que coloca online.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.