sicnot

Perfil

País

Fim da subconcessão dos transportes vai a votos no Parlamento

A Assembleia da República debate e vota hoje dez diplomas apresentados pelo PS, PCP, BE e "Os Verdes" para o cancelamento e reversão dos processos de subconcessão dos transportes públicos de Lisboa e Porto.

(Arquivo)

(Arquivo)

Se forem aprovados, como se prevê face à maioria parlamentar desses partidos, termina aí o processo de subconcessão do Metropolitano de Lisboa, Carris, Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP - serviço de autocarros) e Metro do Porto, lançado pelo Governo de Passos Coelho.

Quanto ao PS, apresentou no Parlamento dois projetos de resolução para que o Governo, no prazo de 90 dias, proceda à anulação dos processos de subconcessão a privados dos serviços públicos de transporte de Lisboa e do Porto.

Para este partido, a subconcessão a privados "em nada defende o interesse público" e, "ao contrário do que o Governo [PSD/CDS-PP] quis fazer crer, acarreta elevados riscos e custos para o Estado".

Por seu turno, o PCP optou por apresentar dois projetos de lei para o "cancelamento e a reversão" da subconcessão por considerar que será lesiva para as empresas públicas e lucrativa para os privados.

Segundo o PCP, os contratos "incluem cláusulas que garantem aos privados que, mesmo que não prestem o serviço público, continuem a receber como se o prestassem" e, em caso de greve, "quem assume os custos são as empresas públicas".

O partido alega, também, que as empresas públicas de transporte ficam condenadas a uma "situação financeira insustentável" porque só vão ter "despesas e nenhuma receita".

O BE apresentou quatro projetos de lei: um para "repor a identidade e autonomia jurídica da Metropolitano de Lisboa, da Carris [rodoviária], da Transtejo e da Soflusa [transporte fluvial]", outro para aprovar "o cancelamento e a reversão do processo de subconcessão da STCP" e alterar os estatutos desta empresa, um terceiro para alterar "as bases da concessão do sistema de metro ligeiro do Porto e os estatutos da Metro do Porto" e o último para alterar o regime jurídico do serviço público de transporte de passageiros.

Já "Os Verdes" apresentaram dois projetos de resolução: "sobre o cancelamento e a reversão do processo de fusão, reestruturação e subconcessão dos sistemas de transporte da Carris e do Metropolitano de Lisboa" e "pela gestão pública das empresas STCP e Metro do Porto".

Prevista no Plano Estratégico dos Transportes 2011-2015, a subconcessão das empresas públicas de transporte de Lisboa e Porto teve o seu culminar este verão quando o Governo de Passos Coelho atribuiu a Carris e o metro à espanhola Avanza e escolheu as empresas Transdev para explorar o Metro do Porto e a Alsa para a STCP.

No entanto, as subconcessões ainda não entraram em vigor, por falta do visto do Tribunal de Contas (TdC).

A Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans) considera que vai ser um "dia de grande vitória", porque irá ser determinado o fim da subconcessão dos transportes públicos a empresas privadas.

Convicta de que os diplomas vão ser aprovados, a dirigente sindical Anabela Carvalheira disse à agência Lusa que hoje "vai ser um dia de grande vitória para os trabalhadores, porque vão ser assumidos os compromissos que a atual maioria parlamentar teve (...) de que reverteria o processo de concessão e de fusão destas empresas".

A sindicalista acrescentou que se está perante um "marco histórico na viragem dos desígnios que o anterior Governo tinha para os trabalhadores das empresas do setor público de transportes".

"Os trabalhadores vão poder voltar a ter empresas públicas e a lutar por um serviço público e de qualidade", concluiu.

Muito critica desde o início do processo de subconcessão das empresas Carris, Metropolitano de Lisboa, Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP - serviço de autocarros) e do Metro do Porto, a FECTRANS realizou dezenas de greves e várias marchas de protesto.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.