sicnot

Perfil

País

Vacinação de sem-abrigo contra a gripe arranca na segunda-feira em Lisboa

A instituição privada de solidariedade social Associação de Assistência de São Paulo (AASP) arranca na segunda-feira com uma campanha de vacinação contra a gripe da população sem-abrigo de Lisboa, foi hoje anunciado.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

LUSA

Esta campanha decorre no âmbito da Unidade Integrativa para a Pessoa que vivia em Situação de Sem-Abrigo, projeto da AASP, e insere-se na estratégia de vacinação contra a gripe -- época 2015/2016.

A iniciativa é dirigida especificamente a esta população e promovida pela Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, refere um comunicado hoje divulgado.

"Implementada em rede com o apoio de diversas associações, a campanha tem por objetivo minimizar o impacto desta problemática nesta população de risco", lê-se na nota.

A campanha de vacinação, que se inicia na segunda-feira, termina a 05 de dezembro.

Esta iniciativa tem o apoio da Associação Novos Rostos...Novos Desafios (INRND), da Associação VOXLisboa e da Associação Nacional de Tuberculose e Doenças Respiratórias (ANTDR). Serão as equipas de profissionais de Saúde destas associações, "nomeadamente médicos, enfermeiros, estudantes da área e voluntários, que irão assegurar a toma das vacinas à população".

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.