sicnot

Perfil

País

Concentração da CGTP junta dezenas no Largo Camões

Algumas dezenas de pessoas estão esta tarde concentradas no Largo do Camões, em Lisboa, para reivindicar uma mudança de políticas para o país e uma melhoria das condições de vida e de trabalho dos portugueses, numa iniciativa da CGTP.

(arquivo)

(arquivo)

TIAGO PETINGA

Empunhando bandeiras da central sindical e cartazes como "cumprir a constituição", "serviços públicos sim, privatizações não" ou "aumento dos salários", os participantes assistem à atuação de um grupo musical, enquanto aguardam pela intervenção do secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos.

A CGTP promove hoje concentrações em Lisboa, Porto e Braga pela defesa da Constituição da República, mudança de política e concretização das propostas da CGTP-IN e dos trabalhadores.

OS sindicalistas e trabalhadores dos distritos a sul de Coimbra estão concentrados na Praça Luís de Camões, em Lisboa, enquanto os dos distritos a norte de Coimbra concentram-se no Porto, na Praça da Batalha.

A CGTP marcou as concentrações na semana passada para exigir que o Presidente da República respeitasse a Constituição, dando sequência à solução governativa apresentada pelos partidos de esquerda.

Tendo em conta que entretanto Cavaco Silva quebrou o impasse e já empossou o Governo de António Costa, a Inter manteve a ação reivindicativa para exigir "a derrota da política de direita, com uma melhor distribuição de riqueza e o combate ao empobrecimento e exclusão social".

A reposição dos salários e pensões, a revisão do salário mínimo e a revogação da legislação laboral nociva para os trabalhadores, são outras das reivindicações a salientar nas concentrações.

Lusa

  • CGTP espera sensibilidade social do novo Executivo

    País

    O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse hoje esperar que o novo Governo tenha sensibilidade social não só para ouvir, como para dar correspondência às propostas da central sindical, regozijando-se com a queda do executivo do PSD/CDS.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.