sicnot

Perfil

País

Ministro da Saúde diz que vai reavaliar despacho sobre fecho de urgências

Ministro da Saúde diz que vai reavaliar despacho sobre fecho de urgências

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, admitiu hoje ir reavaliar em função do "interesse do país" um despacho publicado em Diário da República que altera a organização da rede de urgências hospitalares e encerra 11 urgências.

"Relativamente ao encerramento de urgências é um dos dossiês que nós estamos a estudar e a procurar recolher informação necessária, para que a decisão seja uma decisão ponderada e tenha em conta o interesse das populações", assumiu o novo ministro da Saúde, à margem do XVIII Congresso Nacional de Medicina, que terminou hoje os trabalhos na cidade do Porto.

O ministro da Saúde não disse, contudo, se ia ou não anular a decisão de encerrar 11 urgências.

"Não admito revogar ou deixar de revogar, admito garantir que o interesse geral será estudado, será reavaliado em função daquilo também que é o interesse do país.

O Governo de gestão publicou em Diário da República, na sexta-feira passada, dia 20, um despacho que altera a organização da rede de urgências hospitalares.

O despacho, que deverá produzir efeitos dentro de seis meses, lembra que, em 2011, foi criada a Comissão para a Reavaliação da Rede Nacional de Emergência e Urgência (CRRNEU), com a missão de avaliar o estado de implementação daquela rede, nomeadamente a distribuição territorial existente, as condições de acesso e a composição das respostas existentes, bem como propor alterações.

Questionado pelos jornalistas sobre a ameaça de os médicos avançarem para tribunal se o plano de contingência da gripe lhes retirar as férias de Natal e do Ano novo, o ministro disse que tinha de haver um equilíbrio entre a lei e o interesse público, mas asseverou que as situações que se verificaram no ano passado não são para repetir.

"Tenho a certeza de que tratando-se de matéria da competência das instituições de Saúde, nomeadamente dos hospitais, que haverá um equilíbrio entre aquilo que é o cumprimento da lei e aquilo que é o interesse público".

Adalberto Campos Fernandes recordou que Portugal não pode repetir este ano as situações verificadas no ano passado e afirmou que a "lei será cumprida".

"Nós somos um Estado de Direito e seguramente que as instituições que dependem do Ministério da Saúde farão cumprir a lei em articulação estreita com os representantes dos sindicatos e nessa matéria não me oferece grande preocupação".

O ministro da Saúde referiu ainda que a primeira preocupação é garantir que os portugueses tenham uma "resposta atempada face a uma necessidade aguda de procura de cuidados" e que, a questão das férias dos médicoa, será vista "caso a caso em função do cumprimento da lei e respeito pelo interesse público".

Com Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.