sicnot

Perfil

País

Ministro da Saúde diz que vai reavaliar despacho sobre fecho de urgências

Ministro da Saúde diz que vai reavaliar despacho sobre fecho de urgências

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, admitiu hoje ir reavaliar em função do "interesse do país" um despacho publicado em Diário da República que altera a organização da rede de urgências hospitalares e encerra 11 urgências.

"Relativamente ao encerramento de urgências é um dos dossiês que nós estamos a estudar e a procurar recolher informação necessária, para que a decisão seja uma decisão ponderada e tenha em conta o interesse das populações", assumiu o novo ministro da Saúde, à margem do XVIII Congresso Nacional de Medicina, que terminou hoje os trabalhos na cidade do Porto.

O ministro da Saúde não disse, contudo, se ia ou não anular a decisão de encerrar 11 urgências.

"Não admito revogar ou deixar de revogar, admito garantir que o interesse geral será estudado, será reavaliado em função daquilo também que é o interesse do país.

O Governo de gestão publicou em Diário da República, na sexta-feira passada, dia 20, um despacho que altera a organização da rede de urgências hospitalares.

O despacho, que deverá produzir efeitos dentro de seis meses, lembra que, em 2011, foi criada a Comissão para a Reavaliação da Rede Nacional de Emergência e Urgência (CRRNEU), com a missão de avaliar o estado de implementação daquela rede, nomeadamente a distribuição territorial existente, as condições de acesso e a composição das respostas existentes, bem como propor alterações.

Questionado pelos jornalistas sobre a ameaça de os médicos avançarem para tribunal se o plano de contingência da gripe lhes retirar as férias de Natal e do Ano novo, o ministro disse que tinha de haver um equilíbrio entre a lei e o interesse público, mas asseverou que as situações que se verificaram no ano passado não são para repetir.

"Tenho a certeza de que tratando-se de matéria da competência das instituições de Saúde, nomeadamente dos hospitais, que haverá um equilíbrio entre aquilo que é o cumprimento da lei e aquilo que é o interesse público".

Adalberto Campos Fernandes recordou que Portugal não pode repetir este ano as situações verificadas no ano passado e afirmou que a "lei será cumprida".

"Nós somos um Estado de Direito e seguramente que as instituições que dependem do Ministério da Saúde farão cumprir a lei em articulação estreita com os representantes dos sindicatos e nessa matéria não me oferece grande preocupação".

O ministro da Saúde referiu ainda que a primeira preocupação é garantir que os portugueses tenham uma "resposta atempada face a uma necessidade aguda de procura de cuidados" e que, a questão das férias dos médicoa, será vista "caso a caso em função do cumprimento da lei e respeito pelo interesse público".

Com Lusa

  • As vantagens de comprar online
    8:03
  • Suspeito de homicídio à porta do Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em preventiva
    1:36

    País

    O suspeito de ser o autor dos disparos que mataram um jovem junto à discoteca Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em prisão preventiva. Segundo a investigação, tudo terá começado com um mero desacato, ainda dentro da discoteca, onde a vítima e o detido foram filmados a discutir. O homem de 23 anos está indiciado por dois crimes de homicídio, um na forma tentada.

  • Filho de Trump critica mayor de Londres por palavras de 2016

    Ataque em Londres

    Donald Trump Júnior criticou o presidente da Câmara de Londres logo a seguir ao ataque de quarta-feira que fez três mortos e mais de 40 feridos. O filho de Presidente publicou no Twitter uma reação a uma declaração de Sadiq Khan de setembro de 2016. Para o Presidente dos EUA, o ataque em Londres é "uma grande notícia".

  • Marcelo reuniu-se com líderes europeus para falar do futuro da UE
    2:31

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa esteve esta quarta-feira em Bruxelas e participou numa homenagem às vítimas do atentado em Bruxelas, onde colocou uma coroa de flores junto ao monumento.O Presidente da República esteve também reunido com os líderes das principais instituições europeias para falar sobre o futuro da UE.