sicnot

Perfil

País

PCP quer "imediata abolição" das portagens na A23

O PCP apresentou um projeto de resolução através do qual defende a "imediata abolição" da cobrança de taxas de portagem em toda a extensão da autoestrada da Beira Interior (A23), foi hoje anunciado.

(Lusa)

(Lusa)

Arménio Belo

No projeto de resolução enviado hoje à agência Lusa, o PCP quer que a Assembleia da República se pronuncie "pela imediata abolição da cobrança de taxas de portagem em toda a extensão da A23", uma autoestrada que atravessa os distritos da Guarda, Castelo Branco, Portalegre e Santarém e que permite a ligação entre Torres Novas e a Guarda.

Os comunistas sustentam que a não aplicação de portagens nas chamadas vias scut (vias sem custo para os utilizadores) "foi sempre justificada com a necessidade de compensar as regiões do interior do país com medidas de discriminação positiva tendo em conta as manifestas assimetrias regionais existentes".

"Acontece que a introdução de portagens na A23 tem tido consequências profundamente negativas para as populações e para o tecido económico das regiões atingidas", lê-se no documento.

O PCP sublinha ainda que as regiões do interior sofrem "uma dupla discriminação" e adianta que "essas portagens oneram de uma forma desproporcionada e injusta as populações e as empresas dos distritos de Santarém, Portalegre, Castelo Branco e Guarda".

A acrescentar a tudo isto, sustentam que "não há alternativas à A23".

"Em diversos troços, a A23 foi construída sobre os anteriores itinerários tornando inevitável a sua utilização. Em outros troços, a não utilização da A23 obriga à circulação pelo interior das localidades. Em outros troços ainda, evitar a A23 obriga a circular em estradas quase intransitáveis", refere o documento.

Por último, os comunistas referem também que a introdução de portagens na A23 "tem suscitado um generalizado repúdio por parte das populações, autarquias e associações empresariais afetadas".

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15