sicnot

Perfil

País

Circulação de comboios deve sofrer perturbações no feriado de 8 de dezembro

A circulação de comboios pode sofrer perturbações na próxima terça-feira, dia 8 de dezembro, feriado em que se comemora o dia da Imaculada Conceição, devido à greve convocada pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário (SNTSF).

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

O pré-aviso de greve ao trabalho extraordinário, em dia de descanso semanal e em dia feriado, de 1 de dezembro a 2 de janeiro, abrange três feriados, tendo sido fixados serviços mínimos para 25 de dezembro e 1 de janeiro por serem considerados "dias de confraternização familiar (...) que dão origem a particulares carências de transporte".

Em compensação, o Tribunal Arbitral, nomeado pelo Conselho Económico e Social (CES), decidiu não fixar serviços mínimos para a paralisação do dia 08 de dezembro, nem para o dia anterior nem para o seguinte, períodos em que se podem ainda sentir os reflexos da greve.

Em declarações à Lusa, José Manuel Oliveira, coordenador do SNTSF, escusou-se a antecipar os efeitos da greve no feriado de 08 de dezembro, referindo que "em tese, a circulação pode ficar parada".

Ainda assim, o dirigente sindical admitiu que o impacto desta greve, para contestar os cortes aplicados ao trabalho extraordinário, em dia de descanso semanal e em dia feriado nas empresas públicas, foi mais forte no passado, antes de a CP ter avançado com uma remuneração mais próxima do que está previsto no acordo de empresa.

"Conseguimos fazer um acordo para um valor similar ao que o acordo da empresa prevê, mas o nosso objetivo é a revogação do decreto-lei que impôs às empresas públicas a redução da remuneração do trabalho em dia de descanso semanal e em dia feriado", explicou.

Fonte oficial da CP admitiu à Lusa que "possam surgir algumas perturbações na circulação", garantindo estar preparada para "prestar o melhor serviço possível aos clientes".

O SNTSF tem emitido periodicamente pré-avisos de greve ao trabalho extraordinário em dias de feriado em protesto contra a redução do pagamento do valor pago nesses dias.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.