sicnot

Perfil

País

Maria de Belém diz que moção de rejeição é exercício político legítimo

A candidata presidencial Maria de Belém escusou-se hoje a comentar a moção de rejeição do PSD - em coordenação com o CDS-PP - ao programa de Governo do PS, descrevendo-o somente como um exercício político legítimo.

(aquivo SIC)

(aquivo SIC)

"Os partidos políticos estão no exercício legítimo das suas competências", e uma moção de rejeição como a hoje anunciada denota uma "estratégia política" conduzida no âmbito da Assembleia da República, vincou a candidata.

Maria de Belém falava em Lisboa num almoço/debate com empresários organizado pela Fundação AIP e pela CIP (Confederação da Indústria Portuguesa).

A Comissão Permanente do PSD - órgão mais restrito de direção deste partido, composto pelo presidente, Pedro Passos Coelho, pelos vice-presidentes, pelo líder parlamentar e pelo secretário-geral - esteve reunida hoje de manhã, e fonte social-democrata confirmou à agência Lusa a apresentação da moção de rejeição.

O debate na Assembleia da República do Programa do XXI Governo Constitucional, chefiado por António Costa, está marcado para quarta e quinta-feira. As moções de rejeição são votadas após o encerramento do debate.

Ressalvando que o país está normalizado, com o seu quadro institucional a funcionar de forma regular, Belém lamentou todavia o "clima de crispação entre agentes políticos, económicos e sociais", e lembrou que o chefe de Estado deve ter um "papel moderador, de árbitro, de criação de paz entre os órgãos de soberania".

"Não andei 16 anos a comentar o que os outros faziam, dando numa semana umas bicadas a uns, e noutras umas bicadas a outros", disse depois, criticando diretamente o também candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa, por quem disse ter "apreço e estima pessoal" mas não possui, defendeu, o perfil para ser o "Presidente de todos os portugueses".

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24