sicnot

Perfil

País

Fenprof entrega hoje petição pela aposentação dos professores ao fim de 36 anos

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) entrega hoje no parlamento uma petição em defesa de um regime especial de aposentação para os docentes, que considere "o elevado desgaste físico e psicológico" provocado pela profissão.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)


No documento, que segundo a Fenprof recolheu mais de 20.000 assinaturas "em poucos dias", defende-se um regime de aposentação aos 36 anos de serviço, sem penalização por idade.

Transitoriamente, e porque a maioria dos docentes terá de trabalhar, de acordo com a atual legislação, "entre 43 e 46 anos para atingir a aposentação completa", exige-se que todos os que já completaram 40 anos de serviço possam desligar-se imediatamente do exercício de funções, sem qualquer corte no valor da pensão.

Em comunicado, a FENPROF dá ainda conta de que outras duas petições, entregues na anterior legislatura, serão discutidas nas próximas sessões plenárias, uma delas sobre o fim da requalificação/mobilidade especial.

Lusa

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem no Coachella e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.